JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Planejamento ajuda a evitar o temido prejuízo

Estratégias para minimizar custos ajudam empresários

Roberta Cardoso, Estadão PME,

24 de abril de 2013 | 06h38

 A relação entre a formatação de um plano de negócios e a formação de preços deve ser muito estreita. “Quanto melhor estruturado o plano, maior a margem para se proteger que a empresa tem, o que facilita na hora de repensar mudanças ou traçar estratégias”, explica Luiz Arnaldo Biagio, professor da Business School São Paulo.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Apoiado nessa premissa, o empresário Juscelino Pereira, sócio-proprietário do Piselli e de outros quatro negócios no ramo de restaurantes, consegue estabilidade diante de mudanças. “Nosso planejamento é anual e sempre tem uma margem para eventos que podem trazer custo. Fazemos reajustes só quando necessário”, diz.

Dessa forma, o empresário consegue ter um controle maior para que os custos extras não incidam nos preços. “Há uns anos a gente não pagava por segurança. Hoje, depois da onda de violência e arrastões, gastamos uma fortuna”, conta Juscelino, que precisou apertar a margem de lucro dos negócios.

De forma mais intuitiva, o cabeleireiro Andre Mateus, sócio da Cabelaria, também entendeu a necessidade de montar uma estratégia para otimizar custos e garantir a sustentabilidade de um conceito ainda incipiente no mercado: o visagismo. Trata-se de uma espécie de personalização do corte, onde o estilo é apropriado ao cliente.

A diferenciação deu fôlego ao negócio, que se preocupa ainda com quantidade. “Em determinado momento tive que aumentar o preço do meu corte para arejar a agenda. Assim, inclui dois novos clientes por dia.”

Para acertar

Preço final deve incluir custos - Para precificar uma mercadoria o empresário deve levar em consideração os custos fixos e de produção e a sua margem de lucro. Porém, avaliar apenas os três itens não adianta. Compra de estoque e financiamentos interferem.

Acompanhe a concorrência - Fique atento ao mercado, no entanto, não se guie apenas pelo preço da concorrência. Se houver discrepância, avalie o que essa empresa está oferecendo como diferencial. O consumidor leva em consideração uma série de pontos antes da compra.

Fixe valores para os serviços - No setor de serviços a formação de preços deve embutir os custos e os recursos usados. Com isso, o empresário pode calcular um preço por hora ou por taxa de sucesso na realização do prometido, como fazem escritórios de advocacia.

Entenda o olhar do cliente - Segundo especialistas, o cliente nem sempre está atrás do melhor preço. Ele pode preferir pagar mais caro por status, atendimento e exclusividade. Conhecer as ambições do consumidor permite um maior desdobramento na precificação.

::: LEIA TAMBÉM ::

:: O desafio de ter o preço certo ::

:: Ex-camelô fatura R$ 500 mil com bijuteria que custa menos de R$ 1 ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.