Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Pesquisa revela que empresários misturam contas pessoais e da empresa em cartão

Para especialista, confusão é motivo para problemas financeiros de pequenos empreendedores

Renato Jakitas, Estadão PME,

09 de junho de 2012 | 10h21

Uma pesquisa realizada pela operadora de cartões Mastercard revelou que 25% dos empresários brasileiros misturam os gastos pessoais com as contas da empresa em suas despesas com o cartão de crédito.

De acordo com o levantamento, que ouviu 958 empresas com faturamento anual de até R$ 20 milhões entre 25 de agosto e 28 de setembro de 2011, essa confusão entre contas ocorre principalmente com microempresários. Na medida em que cresce o porte da empresa, cai também a incidência desse hábito.

“Temos alguns levantamentos que apontam que esse número costumava até ser maior no passado. Esse número, portanto, está caindo, embora ainda seja alto”, afirma Alexandre Magnani, vice-presidente de novos negócios da Mastercard para o Brasil e o Cone Sul.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Segundo o executivo, entre as principais despesas que se misturam com as contas pessoais dos empreendedores estão a compra de bens de alto valor que podem ser parcelados, como computadores, passagens aéreas e produtos de linha branca - geladeiras e freezers, por exemplo.

Impostos. Para Luiz Fávero, diretor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), misturar contas da empresa com cartões pessoais e vice-versa são os principais causadores de atrasos em pagamento de impostos dentro das pequenas corporações.

“Os impostos como Darf são altíssimos e não são recolhidos no momento em que o dinheiro cai na conta da empresa, mas as vezes três meses depois. Acontece que se o empresário já usou o dinheiro, ou vai tomar uma pancada na hora de pagar o tributo ou simplesmente não vai pagá-lo”, afirma.

Na opinião de Fávero, apesar de tentador, o empreendedor precisa evitar confundir a vida pessoa com a jurídica, caso contrário a possibilidade de colocar a saúde da empresa em risco torna-se grande.

“Sei o quanto é difícil para um microempresário, que muitas vezes retira um pequeno pro labore, ver R$ 20 mil, por exemplo, de um serviço realizado cair em sua conta e não mexer no dinheiro. Mas, acredite, essa disciplina é o segredo para o sucesso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.