Marcos Santos|USP Imagens
Marcos Santos|USP Imagens

Perda de faturamento: saiba como reestruturar à empresa a nova realidade

Combater o desperdício é vital para manter a saúde financeira dos negócios na crise

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2017 | 13h31

A economia do Brasil vai mal. O alto índice de desemprego que assola o país afeta diretamente no dia a dia de todos. Com pouco dinheiro para gastar, o consumidor procura alternativas para diminuir custos. Muda hábitos, corta despesas e tem de se organizar para não ser engolido por dívidas. O mesmo acontece com as empresas. 

 

Em tempos de crise, perda de faturamento é uma realidade que assombra. Para pequenas e microempresas a situação pode ficar ainda mais crítica. Sem o respaldo de uma grande estrutura, os empresários precisam focar nos detalhes para fazer ajustes que podem determinar a sobrevivência do negócio. “O empresário que não tem um plano de negócios, acaba ficando com uma visão muito técnica, ou seja, ele sabe muito sobre o que se propõe a vender, mas descuida da gestão. Aí fica difícil para fazer qualquer tipo de reestruTUração”, afirma João Carlos Natal, consultor do Sebrae-SP.

De acordo com o especialista, um negócio que passa por dificuldades precisa fazer um diagnóstico detalhado para alinhar a estrutura da empresa. “A falta de um controle da empresa não é o único motivo da perda de faturamento neste momento. De fato, está diminuindo o número de clientes com dinheiro para gastar”, diz o consultor. Nesse caso, algumas medidas podem ser tomadas para reverter e não agravar ainda mais a saúde financeira do negócio.

Organização. A primeira dica para o empresário é mergulhar em todos os detalhes do funcionamento da empresa. Assim, é possível separar as despesas fixas das variáveis em uma planilha e tentar fazer uma projeção de seis meses a um ano. “Só de fazer isso, você pode comparar despesas. E nessa comparação, muito desperdício pode ser evitado. É possível diagnosticar, por exemplo, que o custo do plano de telefonia está alto demais e que talvez seja melhor migrar para outra operadora”, explica. 

 

Combater o desperdício é o primeiro passo. Depois, é hora de avaliar o que pode ser cortado na operação da empresa. Isso inclui, inclusive, renegociar contratos com prestadores de serviço como contador e advogado. “Ao ter uma visão detalhada da empresa fica muito mais fácil pensar em alternativas para aumentar o faturamento. E até diminuir a ociosidade do negócio por meio de permutas”, diz. Em relação à dívidas, o conselho é sempre trocar a dívida mais cara por uma mais barata. Isso significa pedir um empréstimo ao banco para evitar o pagamento de juros altos”, finaliza.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Crise EconômicaMicroempresa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.