Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Pequenos empreendedores lucram com a decoração de Natal em shoppings

Centros de compra vão gastar R$ 286 milhões com enfeites e marketing, 22% a mais do que foi gasto no ano passado

Gisele Tamamar, Estadão PME,

29 de outubro de 2013 | 07h00

As renas, os pinheiros e todo o clima do Natal começam a invadir os shoppings. E para atrair mais consumidores, os centros de compras investirão R$ 286,9 milhões na decoração para a data, 22% a mais que os R$ 235 milhões gastos no ano passado, segundo projeção feita pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A alta nesse desembolso, basicamente, é resultado de 40 shoppings que entraram em operação no Brasil, de acordo com o diretor de relações institucionais da Alshop, Luís Augusto Ildefonso da Silva.

“É cada vez mais notório que a decoração atrai mais consumidores”, diz Silva. Mas não são apenas os shoppings que lucram com a data. Pequenas e médias empresas, responsáveis por levar a magia do Natal aos estabelecimentos, disputam um mercado que exige não só apuro estético, mas também qualidade e segurança.

A tecnologia é outro ponto que ajuda o empreendimento a destacar-se. Bruno Donato, sócio da Innova Natal, trouxe novos conceitos para a empresa fundada pelo avô. Com a ajuda do gerente comercial, Angelo Salton, Bruno conseguiu implementar estratégias de marketing e incluir ferramentas de interatividade com o público por meio das redes sociais.

Um dos destaques da empresa é o projeto do Pátio Paulista, que terá exposição de oito tronos natalinos customizados por artistas como Eduardo Kobra e Antonio Peticov. O público poderá dividir o trono com o Papai Noel e tirar uma foto. Quem compartilhar a imagem no Instagram com a hashtag #natalpatiopaulista ganhará a foto impressa.

“Estamos em São Paulo, onde o trânsito é horrível e as lojas ficam lotadas. O shopping precisa se reinventar e criar diferenciais para atrair os consumidores”, diz Donato.

A Innova também criou uma ação no Shopping Ibirapuera, onde os frequentadores poderão pedir às ‘noeletes’, espalhadas pelo centro comercial , o envio de uma mensagem por meio do perfil @TweetsDoNoel. Este ano, a empresa fechou dez projetos e com isso pretende faturar R$ 5 milhões.

A Cipolatti também é um negócio familiar. Criada em 1981 por Conceição Cipolatti, a empreendedora tem quatro filhos atuando na empresa: Ana Cecília, Luiz Paulo, José Fernando e Rita Gabriela, cada um responsável por uma área. “Achávamos legal ir para o shopping de madrugada, acompanhar as montagens. A empresa foi crescendo e cada um dos filhos se profissionalizou em uma área”, conta Ana Cecília, diretora de marketing do negócio.

A empresa é responsável por 150 projetos este ano, sendo 140 em shoppings, como o Eldorado e o Morumbi. “O shopping não quer que o público só contemple a decoração, quer que ele participe. A empresa cresceu junto com o mercado e entende o que o shopping precisa: inovação com qualidade e segurança”, afirma Ana Cecília.

Com experiência em decoração externa de shoppings, a Lumear traçou uma nova estratégia para cuidar também dos cenários internos. “Nossa proposta é fidelizar o cliente para ele ter um único fornecedor”, afirma a diretora executiva Vanessa Siqueira, que conta com a ajuda da sócia Mary Resende.

Dos nove centros comerciais na lista de clientes, a empresa é responsável pela decoração externa e interna de cinco. “As barreiras de entrada são altas. Não dá para entrar aventureiro. A preocupação dos clientes é contratar serviços de qualidade com segurança”, reforça.

Tudo o que sabemos sobre:
NataldecoraçãoPMEEmpreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.