Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

Pequeno empresário, atenção: cai intenção de consumo do brasileiro em 2012

Recuo é notório em itens como carros, computadores, telefones celulares, móveis e atividades de lazer

Wladmir d´andrade,

22 de março de 2012 | 14h14

 A expectativa de consumo do brasileiro para este ano caiu em todas as classes sociais, segundo a pesquisa "O Observador Brasil 2012", divulgada hoje (22) pela Cetelem BGN, empresa do grupo BNP Paribas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

O recuo na intenção de compra é notório em itens como carros, computadores, telefones celulares, móveis e atividades de lazer e viagens. "O brasileiro está um pouco mais cauteloso neste ano do que em 2011", afirmou o vice-presidente Comercial e de Marketing da Cetelem, Miltonleise Carreiro Filho.

De acordo com a pesquisa, feita em parceria com a Ipsos Public Affairs, 18% dos brasileiros consultados afirmaram que pretendiam comprar um carro em 2011, porcentual que caiu para 15% na pesquisa de 2012. O recuo foi maior entre as classes A e B, nas quais a intenção de comprar automóvel passou de 28% para 24%. Entre os consumidores da classe C, esse porcentual baixou para 15%, ante 18% na pesquisa anterior.

Quedas expressivas também ocorreram na intenção de aquisição de computadores pessoais (de 20% na consulta realizada no ano passado para 16% no levantamento relativo a 2012), telefone celular (de 25% para 17%), eletrodomésticos (38% para 30%), móveis (de 40% para 31%) e lazer e viagem (de 32% para 25%).

Houve manutenção da intenção de compra de propriedades - 11% dos consultados, assim como na sondagem anterior, pretendem adquirir imóveis em 2012. Na análise por classes, porém, a intenção da compra de imóveis caiu entre as classes A e B (de 20% para  16%), manteve-se em 10% na classe C e apresentou aumento entre os consumidores das classes D e E, ao passar

de 6% em 2011 para 9% em 2012.

Otimismo - A pesquisa da Cetelem aponta que, apesar da queda na intenção de consumo neste ano, os consumidores seguem otimistas. "Este ano pode não ter o mesmo nível de consumo de 2011, mas a expectativa ainda segue positiva", afirmou Carreiro Filho.

Metade (50%) dos consultados acredita em crescimento geral do País neste ano, ante 60% em 2011. O consumo vai aumentar para 49% dos entrevistados, ante 53% que tinham a mesma opinião na pesquisa anterior.

Sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), 33% creem em um desempenho melhor em 2012, ante 39% que estavam otimistas quanto ao avanço da economia em 2011. "O Brasil, junto com a Alemanha, segue como o país mais otimista do mundo", disse Carreiro Filho.

A pesquisa divulgada hoje pela Cetelem BGN foi realizada entre os dias 17 e 23 de dezembro do ano passado. Foram ouvidos 1.500 entrevistados em 70 cidades com o objetivo de obter uma amostra representativa da população urbana do País. As classes sociais foram definidas de acordo com o Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB), um sistema de pontos,

fornecido pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), que leva em conta não a renda familiar, mas a posse de itens domiciliares e grau de instrução do chefe da família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.