Helvio Romero/AE
Helvio Romero/AE

Pequenas e médias empresas têm necessidade quase obrigatória de crescer

Professores especialistas em empreendedorismo acreditam que é preciso expandir para sobreviver

ESTADÃO PME,

13 de maio de 2012 | 07h12

O aquecimento da economia e o aumento da competitividade criaram um cenário exigente. Cada vez mais, ganho de escala e profissionalização são fundamentais para a empresa oferecer serviços e produtos de qualidade a preços competitivos. E isso resulta em uma necessidade – quase obrigatória – do pequeno negócio crescer para sobreviver.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Se o mercado está mais convidativo, por outro lado ele também apresenta uma série de desafios. O professor de empreendedorismo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Marcelo Aidar, acredita que a expansão só funciona para negócios que nascem projetando esse crescimento. “Se você começa uma empresa com um modelo inadequado, dificilmente vai conseguir.”

Já o professor Alexssandro Mello, da Fundação Instituto de Administração (FIA), é mais otimista. O especialista acredita que um negócio pode ganhar força se o empresário descobrir um foco inexplorado.

“Não se trata de algo nunca feito antes, mas de um novo jeito de fazer.” Como exemplo, o professor cita o caso da Diletto, empresa que entrou em um nicho de mercado bastante tradicional e sujeito à concorrência com grandes empresas, mas que soube diferenciar-se com a oferta do sorvete de palito artesanal.

Antes de investir no crescimento de um negócio, porém, o empresário deve avaliar com clareza o momento do negócio. Mello destaca três pontos a serem analisados: lucro, endividamento e capacidade de expansão. “Esse crescimento precisa ser consistente. A estratégia é pensar no futuro, mas avaliando a realidade do presente”, diz.

Colocar a casa em ordem é fundamental. E entre as perguntas que o empresário deve fazer a si mesmo durante esse processo, estão a identificação da proposta de valor do negócio, como ele pretende tornar viável o crescimento, se existem pessoas capacitadas para auxiliar no processo e, finalmente, se há caixa suficiente ou outra fonte para financiar a expansão pretendida.

Há também quem prefira evitar os riscos do crescimento e opte por manter a empresa pequena. Nesse caso, o risco é o ramo em que o negócio está simplesmente não oferecer essa possibilidade. “A pequena empresa compra tudo por um preço mais caro, não consegue entregar em grandes quantidades e pode se ver diante do desafio de crescer como forma de sobrevivência”, afirma Marcelo Aidar.

Isso não significa que manter-se no mesmo estágio seja impossível. Se tomar essa decisão, porém, o pequeno empresário terá que inovar com frequência para não correr o risco de reduzir sua participação no mercado.

Se finalmente decidir pela expansão, o empreendedor de menor porte deve saber que vai ter de abrir mão do controle total do negócio – crescer implica em uma mudança na forma de administrar e controlar a empresa, dessa maneira, será preciso criar indicadores e redistribuir tarefas antes centralizadas na figura do proprietário.

Contratar especialistas em áreas específicas é outra mudança inevitável. Essa é a hora, portanto, do empreendedor fazer uma análise criteriosa da equipe para avaliar se os funcionários estão prontos para novos desafios.

A boa notícia é que todo esse processo pode contar a favor do negócio. “Uma das coisas que retém talentos em uma pequena empresa é o empreendedor transmitir o conceito do trabalho a ser realizado pelo colaborador. Isso gera comprometimento e faz com que o funcionário vista a camisa da empresa”, afirma Mello, da FIA.

Tudo o que sabemos sobre:
Encontro PME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.