Reprodução do site
Reprodução do site

Pequena empresa se especializa na organização de casamentos de pessoas do mesmo sexo

Diferencial da 3P Produções está na contratação de prestadores de serviços qualificados para atender o público gay

THAISE CONSTANCIO E THIAGO MORENO, ESPECIAL PARA O ESTADO,

17 de junho de 2013 | 06h50

 Assessora matrimonial há dez anos, Juliana Maiafa teve a ideia de criar a 3P Produções Especiais quando presenciou as dificuldades de um amigo homossexual durante a organização do próprio casamento. Há dois anos, ela e as sócias Patrícia Pongo e Merielen Fragoso montaram a empresa especializada na organização de cerimônias de uniões homoafetivas. Hoje, recebem de quatro a cinco ligações diárias de interessados.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O diferencial do negócio está na contratação de prestadores de serviços aptos a atender os casais homossexuais. Juliana explica: "São necessárias empresas que tenham tato para lidar com os noivos. Um garçom que seja preconceituoso pode causar problemas e estragar um dia lindo". Para resolver os trâmites jurídicos, elas contam também com parceiros nas áreas de direito civil e familiar, especializados na legislação homoafetiva.

Para ficarem por dentro das tendências e das exigências do público gay, passaram a estudar o mercado estrangeiro e a frequentar cursos sobre sexualidade. Segundo Juliana, as pessoas que as procuram sabem o que desejam e até quem são as empresas que querem contratar. Se ainda estiverem em dúvida, elas têm listas com, pelo menos, três  fornecedores que podem cuidar de cada parte do casamento, de papelaria a cerimonialista.

O perfil dos casais é bem claro para as sócias: pessoas com mais de 40 anos, que já estão juntas há muito tempo e querem celebrar a união. A maioria está nas classes A e B e não gosta de se expor. A preferência é por casamentos diurnos, no campo ou na própria residência dos noivos. "É um público muito moderno. Tudo o que existe de mais novo, eles querem", afirma Juliana.

As três sócias investiram R$10 mil no início do negócio para pagar o credenciamento da empresa, o espaço físico onde trabalham e o desenvolvimento do site. Já realizaram dois casamentos, um que custou R$120 mil para 120 pessoas e outro de R$ 80 mil para 60 convidados. Estão com mais duas cerimônias marcadas para o final do ano.  Pelo serviço de assessoria, cobram cerca de 10% do valor total do evento. 

Segundo as produtoras, o maior obstáculo dos cerimoniais ainda é a burocracia. "Partimos da decisão do CNJ e agora estamos em uma fase de adaptação. Acredito que em alguns meses esse processo vai ser muito mais fácil". O objetivo das três agora é montar um novo escritório na Zona Sul, onde moram a maioria dos seus clientes.

Estatísticas. De acordo com o Censo 2010 do IBGE, 60 mil casais homoafetivos vivem no Brasil, sendo que 52% residem na região Sudeste. Os casais formados por mulheres representam 55% do total.

Tudo o que sabemos sobre:
casamentoindústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.