Adriana Elias/Divulgação
Adriana Elias/Divulgação

Pequena empresa faz sucesso ao vender vestidos usados na web

Criada há três anos, Vestidos Online registra cerca de 500 mil acessos mensais

Carolina Dall'Olio, do Estadão PME,

18 de novembro de 2011 | 06h19

Criar a empresa Vestidos Online foi a maneira que o empreendedor Carlos Barros encontrou para solucionar um problema doméstico. Sua esposa, Bruna, tinha oito vestidos de festa guardados no armário – todos usados uma única vez. Mesmo assim, quando surgia um evento na agenda do casal, Bruna sempre comprava um modelo novo, com o argumento de que não poderia repetir o figurino da festa anterior. “Aquilo custava uma fortuna. Foi aí que eu pensei em renvendê-los para recuperar pelo menos uma parte do dinheiro que gastamos”, conta o marido.

Barros já comandava alguns empreendimentos virtuais. O mais rentável deles era o Anúncio de Temporada, um portal que divulga imóveis para locação nas férias. Por isso, quando decidiu se livrar dos vestidos de Bruna, teve automaticamente a ideia de montar um site. Assim, em 2007, de um jeito bem despretensioso, nasceu a Vestidos Online.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

 “Eu imaginei que a situação vivida pela minha esposa se repetia com outras mulheres”, relata Barros. Por isso, a ideia inicial do site foi atrair pessoas físicas que quisessem anunciar os modelos usados. Funcionou: o portal passou até a divulgar vestidos de noiva. Mas o mercado surpreendeu Barros. Os lojistas descobriram a empresa e transformaram o site em uma plataforma para vendas online, algo que ele não havia planejado.

“As empresas começaram a nos procurar para divulgar coleções inteiras em nosso site”, conta Barros. “Assim, uma loja que conseguia vender apenas para os moradores da região, agora vende para o Brasil inteiro.”

Com pouco mais de três anos de existência, o portal registra 500 mil acessos por mês. Boa parte dos clientes vem de cidades pequenas, onde há poucas lojas de vestidos de festa. Já os modelos anunciados são de todo Brasil. Hoje há mais de mil itens à venda.

Para divulgar uma peça no site, o anunciante paga R$29,90 por mês. Para 100 peças, o preço sobe para R$ 59,90. O portal faz apenas a intermediação da venda. As informações do produto e a entrega para o comprador são de responsabilidade de quem fez a venda. “Mesmo assim não há resistência por parte das clientes. Elas se informam sobre as características do vestido e, muitas vezes, fazem a compra por impulso”, afirma Barros. Ainda, na média, as trocas não costumam passar de 10% das vendas.

Ao olhar para trás, Barros se arrepende de não ter investido mais em negócios virtuais. Também confessa que não soube planejar muito bem o crescimento da empresa ­– o quadro de funcionários foi aumentando de forma pouco organizada.

Mas o empresário diz que acertou especialmente na estratégia de divulgação da marca em sites de busca. Ainda hoje, mesmo sem qualquer investimento, a Vestidos Online aparece no topo da lista do Google quando se digita as palavras “vestido” e “festa” no buscador. “Além de ter experiência na internet, eu sempre estudei programações e mecanismos de busca. Isso fez toda a diferença”, opina.

Hoje a empresa conta com seis funcionários e deve encerrar 2011 com faturamento de R$ 400 mil. Para 2012, a meta é chegar a R$ 2,7 milhões. A aposta para o crescimento das vendas está na expansão internacional do negócio.

Barros já registrou domínios em diversos países de língua portuguesa. Também fechou contrato com lojistas de Portugal e de países sul americanos, que querem divulgar seus vestidos tanto no Brasil como nas outras praças em que a Vestidos Online deve atuar. “O modelo funcionou. Então agora eu quero focar no crescimento da empresa”, afirma Barros. Em tempo: os vestidos de Bruna foram vendidos.

::: LEIA TAMBÉM :::

:: Nova classe média descobre a compra virtual ::

::  Saiba como ganhar clientes e popularidade com as mídias sociais ::

:: Saiba como prevenir sua loja virtual contra ataques e fraudes ::

:: Site de desconto vira opção de marketing ::

::  Site promete devolver parte do dinheiro da compra ao consumidor ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.