Divulgação
Divulgação

Paulista lança ferramenta que traduz cardápio de restaurantes em até cinco línguas

Solução emprega tecnologia QR Code e mira carência comunicativa de estabelecimentos brasileiros

Estadão PME,

11 de setembro de 2014 | 07h00

Apesar de alguns anos por ai, o QR Code, aquele código de barra que pode ser escaneado pelas câmeras fotográficas dos celulares, ainda não se tornou uma ferramenta popular à serviço da comunicação. Mesmo assim, ele é a aposta de uma startup paulista que, com o emprego dessa tecnologia, traduz cardápios de restaurantes para até cinco línguas.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Lançado no ano passado, o produto fatura R$ 7 mil por mês e conta com 30 clientes ativos. Segundo o fundador João Felippe Barbosa, o plano original era aproveitar a profusão de turistas durante a Copa do Mundo para alavancar o negócio, que tinha nas Olimpíadas daqui a há dois anos outra oportunidade de divulgação massiva. Mas, após a experiência do mundial de futebol, com um estrangeiro pouco disposto a colocar as mãos no bolso, a estratégia volta-se para o visitante de negócios, que representa o grosso da movimentação internacional no País.

"A gente sempre pensou no produto de olho no turista de negócios, principalmente em São Paulo. Acontece que a Copa fez sumir esse turista e o resultado fico aquém do esperado", diz Barbosa.

A plataforma funciona assim: o bar ou o restaurante encaminha à MyChoice o conteúdo do cardápio para a tradução, com a possibilidade de escolha de um a cinco idiomas. A tradução é realizada pela empresa e, quando se aponta o celular para o QR Code no cardápio do estabelecimento, o cliente é redirecionado para a plataforma da startup, onde estão os cardápios traduzidos.

Para contar com o serviço, o bar paga uma assinatura mensal que vai de R$ 50 a R$ 400 - vai depender da quantidade de cardápios traduzidos e do tamanho do conteúdo. As traduções são realizadas pela startup e vão de R$ 150 (para um texto simples em espanhol ou inglês) a até R$ 1,5 mil, para um cardápio em chinês.

"Para escalonar o produto, a gente quer investir em parcerias com empresas, fornecedoras de bares e restaurantes. Acredito no produto como uma ferramenta de trade marketing oferecida por empresas de bebidas, de alimentos ou marcas parceiras", destaca João Felippe Barbo.

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoEstadão PME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.