Werther Santana/Estadão-19/1/2021
Werther Santana/Estadão-19/1/2021

Paraisópolis cria TV para potencializar negócios periféricos

Maior parte dos operadores da +FavelaTV são moradores de favelas brasileiras; empreendedores locais fazem parte da programação

Marina Dayrell, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2022 | 18h23

A favela de Paraisópolis, em São Paulo, inaugurou nesta quinta-feira, 26, um estúdio de TV com conteúdos voltados para os moradores de favelas do Brasil. Enquanto negócio, a +FavelaTV também irá operar como fomentadora da economia local, incentivando o empreendedorismo das favelas e a empregabilidade dos moradores.

O projeto foi desenvolvido pela Sou+Favela, que cria soluções de mídia para conectar grandes marcas às periferias, e o G10 Favelas, bloco de líderes e empreendedores de impacto social das favelas brasileiras. Os conteúdos serão produzidos no estúdio da TV, que fica no Pavilhão do G10 Favelas, em Paraisópolis, e é sede de negócios como Favela Brasil Xpress, empresa de inteligência logística que faz com que os moradores de favelas possam receber compras online na porta de suas casas, e o G10 Bank, banco de desenvolvimento da favela. 

O fomento ao empreendedorismo e ao desenvolvimento de carreira começa na própria execução da TV. Segundo Maurício Alvarenga, diretor geral do projeto, a maioria dos operadores do negócio são moradores de Paraisópolis e de outras comunidades brasileiras. 

Entre a grade de programação, que inclui programas de cultura, música, gastronomia, empreendedorismo, bem-estar, esportes e capacitação, também há espaço para que os negócios das periferias apareçam e se divulguem. Uma dessas oportunidades será em um reality show de empreendedores, em um modelo parecido com o do ‘Shark Tank’, que ainda irá estrear. 

Alguns dos negócios presentes no Pavilhão do G10 também já fazem parte de outros programas da TV, como o Mãos de Maria, bistrô de comida caseira, e o Costurando Sonhos, de moda e costura. Ambas as empresas focam no empoderamento feminino por meio da capacitação profissional e geração de renda. 

Para ajudar os profissionais das favelas, a programação também irá contar com o programa Momento Emprega Comunidade, com dicas para que eles se preparem para o mundo corporativo, como, por exemplo, criar um currículo e se portar em uma entrevista de emprego. 

A expectativa do negócio, segundo o CEO da Sou+Favela, Marx Rodrigues, é atingir 14 milhões de pessoas. Além de Marx e Maurício, compõem o time da +FavelaTV: Gilson Rodrigues, presidente do G10; Milton Neto, diretor de Novos Negócios; Edmundo Gavioli, diretor comercial; e Daniel Cristovão, diretor de música e talentos. Marx explica que a equipe está em processo de contratação de duas mulheres que sejam da comunidade para compor a diretoria. 

A +FavelaTV terá conteúdo linear 24 horas por dia e sob demanda e pode ser acessada pelo site www.maisfavelatv.com

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.