Jonne Roriz/ AE
Jonne Roriz/ AE

Para dono da MRV, empreendedor deve cuidar bem dos funcionários

O empresário Rubens Menin garante que o sucesso do negócio está no foco

Ligia Aguilhar, do Estadão PME,

31 de outubro de 2011 | 07h00

Ele sonhava em construir casas e prédios no ritmo de uma linha de produção. Há 32 anos no mercado, Rubens Menin, de 55 anos, fundador da MRV Engenharia, conseguiu o que queria e transformou o mercado. Hoje, ele se tornou o dono da maior construtora e incorporadora do País no segmento de imóveis para a classe média e média baixa. Agora, ele sonha em conquistar o mundo. “A gente sempre quis crescer sem perder a qualidade e conseguimos, buscamos ser o maior player no mercado e também já alcançamos essa posição no Brasil, então continuar crescendo é algo natural”, diz.

Hoje a MRV fatura R$ 3,7 bilhões e tem uma das maiores margens de lucro do mercado. Boa parte dessa receita vem da parceria com o governo federal para a construção de casas do programa Minha Casa, Minha Vida.  A meta é dobrar o faturamento nos próximos anos. Para isso, a estratégia de Menin é aumentar ainda mais a produtividade. “Há cinco anos, eram necessários 12 homens para construir um apartamento. Hoje a média é 7,3 e queremos chegar a 6 em breve”, afirma.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O sucesso da empresa é construído a base de muita dedicação. Menin faz questão de conferir pessoalmente os terrenos e obras espalhados em mais de 100 cidades do País.  Para isso, viaja religiosamente todas as terças e quinta. “Se eu ficar trancado na minha sala, perco metade da visão que tenho hoje sobre a empresa”, diz.

A MRV foi criada em 1979 com dois outros sócios. Um deles saiu após dois anos e o segundo pediu para sair em 1996. O episódio, segundo ele, transformou para sempre a cultura da empresa. “Nesse dia eu chamei 13 executivos importantes da MRV e ofereci para eles participação societária no negócio”, conta.  Hoje, cerca de 300 executivos são sócios da empresa, incluindo os 13 que permanecem na MRV até hoje. “Já tentaram tirar nossos profissionais, mas nenhuma outra companhia conseguiu”, comemora.

Para estimular os funcionários e garantir que seu negócio não sofra com a escassez de mão de obra na construção civil, ele investe em cursos de capacitação para os funcionários. “O empreendedor precisa saber trabalhar sua mão de obra. As pessoas gostam de trabalhar na MRV justamente porque sabem que vão evoluir”, diz.

Outra ação criada por ele foi um programa de estímulo à inovação que remunera os funcionários criadores de ideias que melhorem produtos e processos da empresa. “Ao longo dos anos criamos nossa própria cultura e essa é uma das ferramentas mais importantes, porque já premiamos mais de duas mil ideias”, diz.

O segredo do sucesso, para ele, é manter o foco. Menin já tentou diversificar algumas vezes e investir em outros negócios, mas os resultados foram aquém da expectativa. “Toda empresa de muito sucesso tem foco bem definido”, explica.

Mesmo apaixonado pelo negócio, o empresário já se prepara para a sucessão. O cargo, cogita-se, pode ficar com um dos seus três filhos, que são diretores da empresa.  “Tenho orgulho de eles estarem lá, mas temos também outros 29 diretores que podem ocupar o cargo”, desconversa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.