Adriano Faleiros/AE
Adriano Faleiros/AE

Para CNI, indústria entra em trajetória de maior crescimento

Avanço do faturamento industrial contrasta com a quase estagnação verificada na 1ª metade do ano

Eduardo Rodrigues, Agência Estado,

06 de outubro de 2011 | 17h03

Os três meses consecutivos de crescimento do faturamento industrial contrastam com a quase estagnação do setor verificada na primeira metade do ano, na avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em agosto, as vendas industriais cresceram 0,3% em relação a julho, com dados dessazonalizados.

Para o analista da CNI, Marcelo de Ávila, os últimos meses quebraram a tendência de baixo crescimento observada no começo do ano. "Tivemos uma oscilação muito grande entre dados positivos e negativos desde o fim de 2010, mas agora a indústria entra em uma trajetória de maior crescimento", avaliou.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O mesmo pode ser observado no indicador do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci), que voltou a crescer após dois meses de queda e chegou a 82,2% em agosto, conforme divulgado mais cedo pela CNI. "A situação de moderação da atividade está começando a ser revertida", completou Ávila. Segundo ele, apesar do forte crescimento da demanda doméstica por produtos industriais, parte dessa procura vinha sendo transferida para o exterior, uma vez que o câmbio valorizado favorecia os importados.

Para o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, porém, a desvalorização do real ocorrida em setembro ainda não deve aparecer nos resultados da indústria do mês, já que a maior parte das encomendas ao exterior já estava fechada. A influência dessa variável deve ser maior a partir de outubro.

"Além disso, estamos em um momento de queda das taxas de juros por um lado, mas a crise internacional gera incertezas de outro. Acredito que, apesar disso, teremos expansão no segundo semestre superior ao do primeiro", concluiu o economista.

Tudo o que sabemos sobre:
Indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.