Reprodução
Reprodução

Ônibus que faz balada se transforma em franquia que custa até R$ 220 mil em São Paulo

Empresário Maurício Somlo escolheu o modelo de franchising para expandir o negócio

Carla de Gragnani, especial para o Estado,

27 de maio de 2013 | 12h10

Há três anos atuando como uma festa itinerante realizada em ônibus customizados, a Bus Party, do empresário paulista Maurício Somlo, tem planos de expandir suas atividades ainda neste ano com a abertura de três franquias. A primeira delas, em Campinas, no interior de São Paulo, precisou de R$ 200 mil em investimento e deve entrar em operação nos próximos meses.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

De acordo com Maurício, os locais das outras duas unidades franqueadas ainda não foram definidos, mas as operações devem custar entre R$ 180 mil e R$ 220 mil, variando de acordo com o modelo do ônibus. "Para cada localidade fazemos uma análise dos hábitos populacionais e, com base nisso, o modelo que melhor se adapta", explica. A Bus Party estima que o retorno sobre o investimento seja de 24 a 36 meses.

Hoje a empresa dispõe de quatro ônibus que fazem em média 45 festas por mês. Dois deles circulam em São Paulo, um no Rio de Janeiro e um recém-adquirido veículo que vai ser utilizado em Campinas. Além de ônibus-balada, a atração também pode ser adaptada para receber festas de debutantes, despedidas de solteiro e até confraternização de empresas.

Para contratar o serviço o cliente desembolsa de R$ 400 a R$ 950 por hora – o mínimo são duas horas –, dependendo do pacote escolhido e da duração da festa. A Bus Party oferece serviços de DJ e barman e em alguns pacotes também pode oferecer um fotógrafo para registrar as comemorações.

Mesmo com o valor considerado alto, Maurício conta que o serviço tem muita procura por clientes de perfis bem variados. "São desde crianças de 11 a 14 anos em busca de 'baladinhas' até homens de negócios procurando um espaço diferenciado para reuniões de empresa", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.