Divulgação
Divulgação

Oito indicações de que você está sabotando a inovação na sua própria empresa

Confira lista elaborada pelo Estadão PME e descubra se você está contribuindo para o fracasso do seu próprio negócio

ESTADÃO PME,

16 de janeiro de 2012 | 06h40

Inovar não é fácil. Mas uma coisa que o empresário não pode cometer de jeito nenhum, sob o risco de fracassar, é sabotar a si mesmo. Pensando nisso, o Estadão PME separou oito indícios de que você, pequeno empresário, está prejudicando o surgimento de ideias e inovações em seu negócio. Vale a pena conferir a lista, principalmente quando o Sebrae-SP garante que 86% das empresas que permanecem abertas após cinco anos de vida investem em inovação.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Você sabota o surgimento de inovação quando...

1) Resolve os problemas apenas quando eles surgem

2) Não arruma tempo e, por isso, raramente conversa com seus clientes

3) Acredita que mudanças podem comprometer a empresa

4) Acha que sua equipe de trabalho não gosta de dar ideias

5) É conservador e prefere não correr riscos

6) Acha que a inovação acontece de maneira aleatória ou simplesmente não ocorre

7) Não acha importante se atualizar a respeito das tendências do setor no qual atua

8) Não se lembra de nenhuma iniciativa inovadora nos últimos 12 meses

Não se convenceu? Separamos mais dois argumentos ‘definitivos

Inovação atrai dinheiro

Quem inova atrai dinheiro. Além de ficar mais atraente sob o ponto de vista de um fundo de investimento, que pode se interessar pelo seu negócio e investir nele, vale lembrar que o Sebrae anunciou recentemente que tem disponíveis mais de R$ 700 milhões para negócios inovadores  - a entidade informa que pretende gastar essa quantia até 2014.

Permite aumentar preço

Além de atrair dinheiro, ter um produto ou serviço inovador permite que você aumente o preço sem reclamações do cliente. “Obviamente, não é razoável aumentar o preço apenas porque os custos também ficaram mais altos”, alerta Sérgio Pires, professor da Fundação Dom Cabral. “Porém, é aceitável que a empresa altere sua política de preços sempre que tiver um diferencial frente ao concorrente, que pode ser desde exclusividade, alguma inovação, design, muita qualidade ou força da marca”, conclui.

::: LEIA TAMBÉM :::

:: Sebrae destinará R$ 780 milhões para inovação ::

:: Empresas podem ganhar até R$ 1 milhão em prêmios de inovação ::

:: Ausência de inovação diminui a chance de sucesso da empresa ::

Tudo o que sabemos sobre:
Inovaçãodicassugestõesargumento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.