Reprodução
Reprodução

Obrigatoriedade de conteúdo nacional na tv paga faz surgir mais de 200 novas empresas no País

O momento é propício também para pequenos empreendedores do segmento

Renato Ghelfi, especial para o Estado de S. Paulo,

10 de maio de 2014 | 07h00

A demanda por produções audiovisuais brasileiras aumentou nos últimos anos. A notícia é boa para as produtoras nacionais, principalmente para as que têm foco em conteúdo para televisão. A Lei 12.485, também conhecida como Lei da TV Paga, é um dos principais motivos do aquecimento desse mercado no País. Desde que foi sancionada, no final de 2011, os canais a cabo passaram a ter a obrigação de transmitir conteúdo nacional em suas programações.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Hoje, ao menos três horas e meia de conteúdo audiovisual brasileiro têm de ser veiculado semanalmente durante o horário nobre da TV fechada. Metade desse conteúdo precisa ter sido feito por produtoras independentes. A regra vale para os canais qualificados, aqueles que exibem, predominantemente, filmes, séries, animações e documentários.

Nos últimos dois anos, mais de duzentas novas empresas foram registradas na Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão (ABPITV). Mauro Garcia, presidente da entidade, acredita que a nova lei deu "grande impulso para o crescimento do setor" e que a consolidação de fundos de investimentos, editais e linhas automáticas têm sido fundamentais para basear essa evolução.

Segundo a Ancine, o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) é a principal ação de fomento desse tipo no País. Em dezembro do ano passado, foi anunciado que R$ 400 milhões serão destinados ao FSA em 2014, o que equivale à soma de tudo que havia sido investido no programa desde que ele começou a funcionar, em 2008.

De acordo com Mauro Garcia, o perfil dos assinantes mais recentes da TV por assinatura é outro aspecto importante para entender o aquecimento do mercado audiovisual brasileiro. Grande parte dos novos telespectadores tem "hábitos de consumo de TV aberta", o que faz com que canais fechados queiram transmitir conteúdo mais parecido com o que é visto nos canais brasileiros tradicionais, ou seja, mais trabalho para as produtoras nacionais.

Em janeiro de 2013, o jornalista Tiago Mello e dois amigos criaram a Boutique Filmes. Pouco mais de um ano depois, a empresa já produz para canais como Discovery Channel, Cartoon Network, Gloob e Fox. O empreendedor acredita que existe demanda considerável no setor, mas ressalta que é necessário bastante planejamento para se dar bem em uma "cadeia que ainda está se estruturando".

A importância de ter um projeto bem elaborado também foi algo destacado por Mauro Garcia. O presidente da ABPITV vê problemas de gestão e prestação de contas como a dificuldade principal dos novos empreendedores. Ele acredita que há necessidade de profissionais com boa capacitação administrativa para que esse "momento muito rico" do audiovisual possa ser bem aproveitado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.