Divulgação
Divulgação

O segredo por trás da cerveja de formiga saúva: chamar a atenção do cliente para a empresa

Marca fundada em Campinas comercializa equipamentos e insumos para cervejeiros amadores

Renato Jakitas, Estadão,

05 de fevereiro de 2014 | 06h30

 Para chamar a atenção em um mercado em plena expansão, um grupo de empresários do interior paulista resolveu apostar alto na criatividade. Donos de uma fornecedora de insumos e equipamentos para cervejeiros amadores, eles têm chamando a atenção mais pelas receitas inusitadas que desenvolvem da bebida do que, propriamente, pelos produtos oferecidos em si.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Uma das últimas novidades criadas pelos empreendedores é a cerveja de formiga saúva desidratada, lançada no final do ano passado durante um evento gastronômico em São Paulo. Com figos e tucupi negro na receita, a bebida se aproxima de uma saison belga, que tem um gosto picante, cítrico e frutado.

:::Leia também:::

Cerveja artesanal atrai cada vez mais empreendedores

Bode e James Brown inspiraram cervejaria

"A gente não comercializa cervejas. Nosso negócios é fornecer insumos e equipamentos. Mas essas receitas têm sido importante, uma oportunidade para chamar a atenção dos clientes, fazer um barulho", afirma o economista Alessandro Morais, sócio da Lamas Bier, que no natal fez sucesso com outra novidade, a cerveja de panetone. "Desenvolvemos uma cerveja bem leve para o nosso verão, com uvas passas, frutas cristalizadas e casca de laranja", diz ele.

Com uma loja em Campinas, outra na capital paulista e um e-commerce para atender o resto do País, Morais destaca que as receitas diferentes são parte importante da estratégia de divulgação da marca, que tem por hábito convidar os clientes para acompanhar o processo de produção das bebidas. "A gente faz como um workshop na rua mesmo. Colocamos uma faixa e convidamos os clientes. O cervejeiro é muito inventivo, ele gosta dessas novidades", diz.

Lançada há dois anos, a empresa de Alessandro Morais teve investimento inicial de R$ 120 mil e, atualmente, fatura na casa dos R$ 4,5 milhões ao ano. Com 6,5 mil clientes cadastrados, ele conta que cerca de 4 mil comparecem com recorrência mensal ao site ou às lojas físicas da marca. "Esse mercado de gente que faz cerveja em casa está crescendo muito e nosso desempenho é, por si, um exemplo das oportunidades que ele oferece", destaca o empreendedor.

Tudo o que sabemos sobre:
cervejacervejeiroempreendedorismopme

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.