Divulgação
Divulgação

O que três músicos de sucesso fazem quando precisam comprar seus intrumentos

Profissionais estão à frente de fãs de rock, evangélicos e pagodeiros

Estadão PME,

27 de julho de 2012 | 15h10

O varejo do setor de instrumentos musicais vai movimentar R$ 1 bilhão  até o final de 2012 no Brasil, segundo dados da Associação Brasileira de Música (Abemusica). Nos 1500 pontos de vendas espalhados pelo país, a procura geralmente é por marcas importadas.  O consumo deste tipo de produtos é liderado, em primeiro lugar, por músicos e fãs de rock, seguidos por evangélicos e fãs de pagode.

Líderes de consumo, segundo a Abemusica, os profissionais da música possuem peculiaridades na hora de escolher os instrumentos que vão usar para o trabalho. A justificativa para tanto cuidado na hora da compra deve-se ao alto custo que esse tipo de produto tem.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

"Os preços realmente estão salgados. Estão não, sempre foram! Aqui no Brasil um instrumento chega a custar três vezes preço de lá fora. Chega a ser irritante. Por isso estou satisfeito com o que tenho. Tentei adquirir o melhor possivel para que não tenha mais impulsos para gastos exagerados", diz Marcos Kleine, guitarrista do Ultraje a rigor. "Hoje em dia não vou mais a lojas de instrumentos. É raro. Quando preciso, vou à Made in Brazil, por comodidade e por ser perto da minha casa", complementa Roger, vocalista da banda.

Embora a indústria nacional esteja enfraquecida e represente apenas 10% da produção nacional, os instrumentos feitos no País têm boa aceitação por músicos profissionais. Para o baixista da banda Jota Quest, PJ, a preferência pelos produtos nacionais está relacionado à função do músico na banda. "Guitarristas usam guitarras das marcas Fender ou Gibson em 90% dos casos. Já os baixistas sempre estão a procura de algo diferente e exclusivo, sem nenhum tipo de ideia formada, independente da marca", analisa PJ. "Existem no Brasil vários fabricantes de baixos de primeira qualidade como a M Laghus de Salvador, ACS de Belo Horizonte e a N. Zaganin, de São Paulo.

::LEIA TAMBÉM::

:: Giannini, 112 anos de história ::

:: Estratégias para ganhar espaço no setor musical ::

:: Setor musical precisa afinar a gestão para crescer ::

Veja fotos e saiba outras curiosidades sobre as preferências dos músicos na hora de comprar seus instrumentos:

Tudo o que sabemos sobre:
ConsumoInstrumentos musicaiscompras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.