Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

O que o empreendedor precisa fazer agora para criar um bar de sucesso

Gestão profissional é o segredo para sobreviver a uma concorrência de 100 mil empresas

Carolina Dall´olio e roberta cardoso, estadão pme,

30 de agosto de 2011 | 12h32

A cerveja continua gelada, o garçom ainda pode ser chamado pelo apelido e o cardápio segue repleto de petiscos saborosos. Mas atrás do balcão muita coisa mudou nos botecos brasileiros. O setor se profissionalizou e hoje exige que os bares assumam de vez a condição de empresas.

“Para disputar a preferência do consumidor em um mercado que reúne mais de 100 mil empresas e faturou R$ 73 bilhões em 2010, os bares já não podem mais se dar ao luxo de ter uma gestão amadora”, sentencia Paulo Solmucci, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

Pensando em auxiliar o candidato a empreendedor - e também aqueles empresários que já comandam um negócio deste tipo -, o EStadão PME elaborou algumas dicas a partir de entrevistas com proprietários de botequins e também com especialistas no setor.

Treinamento

A adoação de rígidas práticas gerenciais pelos bares brasileiros passa, sobretudo, pela contratação e manutenção no estabelecimento de profissionais qualificados, que sejam capazes de atender com eficiência uma clientela cada vez mais exigente.

Rodrigo Ferraz, proprietário do Albanos, nar de Belo Horizonte, sabe disso. "Trabalho a autoestima da equipe. Os funcionários recebem acompanhamento psicológico para lidar com os clientes sem deixar o estresse interferir no atendimento", afirma.

Como evitar a alta rotatividade

Os empreendedores do setor ainda têm de lidar com outra peculiaridade do segmento: a alta rotatividade de funcionários. Para driblar esse problema, Facundo Guerra, proprietário do Volt e do Z Carniceria, adotou uma estratégia diferente para compor o quadro de funcionários dos seus estabelecimentos.

“Não contratei pessoas com experiência em bares. Fui buscar profissionais formados em hotelaria, treinados para lidar com métricas, taxas, retorno de investimento e atendimento de qualidade ao cliente”, explica. Guerra promove, também, o intercâmbio entre funcionários que atuam em outros empreendimentos mantidos por ele.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Relacione-se bem com os funcionários

O cultivo de uma boa relação com os empregados também garante mais profissionalismo aos bares administrados pelo empreendedor. “Todo final de mês, cada estabelecimento faz a sua comemoração. É o dia deles aproveitarem o local como os frequentadores”, finaliza Natalício, proprietário de cinco bares em Porto Alegre.

Aposte em diferenciais

Todos os bares ouvidos nesta reportagem souberam encontrar um diferencial, que os ajudou a cativar a clientela e, consequentemente, a ampliar o lucro do empreendimento. Os proprietáios do Filial, Genésio e Genial, todos bares de São Paulo, criaram uma identidade própria para cada estabelecimento. Funcionou.

Já a rede de franquias Botequim Informal, no Rio de Janeiro, levou unidades da empresa para locais onde não havia opções de entretenimento para o público adulto, como por exemplo shoppings. Já os donos dos bares Posto 6, Salve Jorge, Cervejaria Patriarca e Armazém Piola apostam na comida como principal diferencial.

::: LEIA TAMBÉM :::

:: Inflação do aluguel sobe em agosto ::

:: Pastel da Maria vai abrir 200 franquias ::

:: A corrida dos shoppings no interior do País ::

:: Simples Nacional: medidas passam a valer em 2012 ::

:: Faturamento do varejo deve subir quase 7% em agosto ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.