Mônica Zarattini/Estadão
Mônica Zarattini/Estadão

O especialista responde: quais atividades um MEI pode exercer?

Segundo analista de negócios do Sebrae-SP, o microempreendedor individual (MEI) pode inserir até 15 atividades em seu CNPJ

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 10h51

Por Marcos Vieira, analista de negócios do Sebrae-SP

Atualmente, os microempreendedores individuais (MEIs) representam 80% do total das novas empresas do Brasil. Considerado a porta de entrada para quem quer ser dono do próprio negócio, o MEI é a pessoa que trabalha por conta própria, fatura no máximo R$ 81 mil por ano, não tem participação em outra empresa como sócio ou titular e tem no máximo um empregado contratado, que receba o salário mínimo ou o piso da categoria.

A formalização é feita direto no Portal do Empreendedor e a lista de atividades permitidas inclui mais de 500, determinadas pelo Comitê Gestor do Simples Nacional. A lista vai de A a V, de abatedor de aves com comercialização do produto independente até viveirista independente. A tabela pode sofrer alterações e todas as mudanças são informadas anualmente pelo Comitê Gestor do Simples Nacional.

O que fazer se sua atividade não consta da lista? Nesse caso, é preciso iniciar o processo de formalização como microempresa, que envolve a ajuda de um contador e outros valores de tributos e impostos.

No Estado de São Paulo, a lista das atividades com o maior número de MEIs é essa:

- Cabeleireiros: 181.872

- Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios: 148.913

- Obras de alvenaria: 92.359

- Promoção de vendas: 61.967

- Lanchonetes, casas de chá, sucos e similares: 52.912

- Fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar: 51.817

- Outras atividades de tratamento de beleza: 51.206

- Transporte rodoviário de carga, exceto produtos perigosos e mudanças, municipal: 46.616

- Instalação e manutenção elétrica: 46.172

- Serviços ambulantes de alimentação: 44.138

O MEI ainda tem uma flexibilidade de inserir ou excluir atividades no seu CNPJ. Ele pode inserir até 15 atividades, sendo uma principal e as demais secundárias. Por exemplo: ele escolhe a atividade de comércio varejista de vestuário – roupas como atividade principal e inclui as demais atividades como secundárias: comércio varejista de bijuterias, comércio de sapatos, comércio de tecidos, comércio de perfumaria.

Nesse caso, o MEI vai receber a fiscalização de todas as atividades e poderá emitir a nota fiscal para todos os itens. Mas, se ele vende todos os itens acima e abriu o MEI apenas como comércio de vestuário, ele não poderá vender sapatos, perfumes e muito menos emitir nota fiscal desses produtos.

Por isso, é importante que o MEI sempre mantenha o cadastro atualizado. Se ele quiser inserir uma nova atividade, como comércio varejista de enxoval, ele pode. E se a venda de sapatos não deu certo, ele também pode retirar a atividade a qualquer momento.

E se der tudo errado, ele também pode tirar todas as atividades e, se for abrir um novo negócio, é possível tirar todos os CNAEs (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) e colocar restaurante, por exemplo. O MEI só não pode esquecer que o alvará anterior ficará inválido e ele vai precisar emitir uma nova autorização no poder público municipal. Os processos de alteração, exclusão ou inserção de CNAEs podem ser feitos no Portal do Empreendedor.

A abertura do MEI traz vários benefícios aos empreendedores que desejam ingressar no mundo dos negócios, dentre eles destacam-se:

- Emissão de nota fiscal, o que facilita a venda para o poder público em todas as esferas: municipal, estadual e federal. Ao emitir a nota fiscal, a empresa pode vender para um maior número de clientes, inclusive para outras empresas, e consequentemente impactar no aumento das vendas.

- Alvará, assim estará regularizado perante aos órgãos públicos, tendo mais segurança para o desenvolvimento do seu negócio.

- Recolhimento de INSS: pagamento de apenas 5% do salário mínimo federal, equivalente a R$ 49,90. Assim, o MEI estará recolhendo sua previdência para ter direito a aposentadoria por idade (homens 65 anos/ mulheres 60 anos), além de auxílio doença, auxílio maternidade, pensão por morte e auxílio reclusão.

- Aumento no poder de compra. Com o CNPJ, o empreendedor pode comprar direito com o fornecedor, o que melhora a negociação, pagando menos na matéria-prima, aferindo uma maior lucratividade.

- Crescimento com segurança: o MEI pode ter um funcionário devidamente registrado.

Ao decidir pela abertura do MEI, é fundamental que o empreendedor busque a Prefeitura da sua cidade para buscar esclarecimentos sobre regularidades, como Vigilância Sanitária, Secretaria do Meio Ambiente, entre outros órgãos.

* Mande sua pergunta para a seção O Especialista Responde pelo e-mail pme@estadao.com.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.