Divulgação
Divulgação

O cinema drive-in daria certo como proposta de negócio atualmente?

Evento do Sesc Osasco, em São Paulo, pode despertar o interesse pelo negócio

Rodrigo Rezende, Estadão PME,

14 de agosto de 2013 | 06h40

Inspirado na história dos autocines, ou cinemas drive-in, o Sesc, em São Paulo, realizou o evento Cine Chaparral, que pretendia recriar uma ambientação das décadas de 60 e 70 para proporcionar ao público a sensação de voltar no tempo e estar em um cine drive-in para assistir ao filme dentro do próprio carro. As apresentações ocorreram de 8 a 10 de agosto, no Sesc Osasco.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Segundo a programação do site do Sesc Osasco, o evento pretendia resgatar o clima de um modelo de negócio que fez história no Brasil, como o Snob’s, trazido a São Paulo pelo piloto de fórmula 1 Eduardo Celidônio em 1968, seguido pelo Moon Auto Cine, em 1970, e o Chaparral, um ano depois.

O Sesc também lembra que ainda existe cinema assim no País, como o Cine Drive-In, localizado em Brasília, que funciona na cidade desde 1973 e é considerado um dos marcos históricos para os cinéfilos. O cinema informa em seu site que tem 15 mil metros quadrados de área asfaltada, uma tela de concreto de 312 metros quadrados e capacidade para acomodar 500 veículos em seu estacionamento.

Análise. Na opinião do professor Marcos Hashimoto, que coordena o centro de empreendedorismo da FAAP, a ideia do autocine é boa. "É um modelo que deu certo em uma época em que o carro era luxo, hoje não é mais, mas estacionamento é", diz. Por isso, segundo ele, esse tipo de negócio poderia ser uma alternativa para resolver duas coisas de uma só vez. O professor afirma que, hoje, o carro oferece certa privacidade e muita gente pode achá-lo mais confortável do que a poltrona da sala de cinema.

Mas, antes de tudo, para investir em um negócio desse tipo seria necessário bastante pesquisa, alerta Hashimoto. Para ele seria necessário entender o comportamento do público jovem hoje, de quem vai ao cinema, e como seria feita a adaptação das tecnologias atuais do cinema para os carros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.