Reprodução do site
Reprodução do site

O boi feito de mamão que inspirou a criação de uma empresa em Santa Catarina

Com animação baseada no folclore catarinense, 52 Animation Studio cria uma empresa

THIAGO MORENO, ESPECIAL PARA O ESTADO,

21 de junho de 2013 | 10h00

 A amizade de um boi nascido de um pé de mamão com um garoto foi o que originou o negócio dos sócios catarinenses Rodrigo Eller e Ricardo Machado. Com uma equipe rotativa de cinco funcionários, eles criaram o 52 Animation Studio e transformaram a história absurda dos dois amigos no projeto de série animada Papaya Bull. Há três meses, assinaram um contrato de coprodução com a Boutique Filmes e já estão em processo de negociação com canais de TV a Cabo para exibir os 26 episódios da primeira temporada.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O processo todo começou com pesquisas de mercado. Ricardo e Rodrigo analisaram as tendências e as expectativas de outros animadores e descobriram, por exemplo, que o setor estava procurando desenhos para meninos de 7 a 11 anos. De preferência, que tivessem algum animal participante na história. A partir dessa ideia, criaram uma bíblia da animação, um livreto que descreve os personagens, os enredos e traz resumos de possíveis episódios. Depois, produziram um episódio piloto que usaram para exibir em eventos nacionais e internacionais do setor. Essa primeira fase lhes custou cerca de R$110 mil, que conseguiram através de investidores-anjos.

O plano é que a produção dos episódios comece no ano que vem e que o desenho esteja no ar em rede nacional até 2015. Enquanto a 52 se preocupa com a animação, a Boutique ficará responsável por levantar recursos e investimentos. Ricardo Machado explica: "Quando se fala em desenho animado parece uma coisa tão simples, mas por trás existe toda uma estrutura complexa. Nossa preocupação, desde o começo, não era só fazer a nossa animação, era fazer com que essa animação fosse o embrião de uma empresa e de um negócio".

O objetivo dos dois sócios agora é conseguir emplacar o desenho animado em um canal de televisão. Para isso, apostam no diferencial da série como uma maneira divertida de passar valores morais para as crianças. "Queremos dar aos pais um bom atrativo para que eles incentivem seus filhos a assistirem o Papaya Bull", afirma Rodrigo Eller. O produtor executivo da Boutique Filmes, Tiago Mello, diz que gostou das ideias frescas por trás da animação, do conceito forte e inovador de ilustração e design. Por isso resolveu apostar na dupla.

Segundo o consultor do Sebrae Ary Scapin, é exatamente no plano de negócios que uma empresa dentro da economia criativa pode se diferenciar. "O empresário tem que ter uma percepção do mercado onde ele quer se estabelecer. As aceleradoras de startups e os investidores anjos estão sempre focados em empresas muito bem estruturadas", ensina. O animador Rodrigo Eller completa: "Quem quer ser empreendedor na área de animação tem que ser multitarefa. Fazer café, desenhar, escrever, chamar, ligar, mandar e-mail, correr atrás. Não pode ser acomodado".

Tudo o que sabemos sobre:
empreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.