Divulgação
Divulgação

No primeiro mês, Netshoes não vendeu nenhum calçado; hoje vende 35 mil itens por dia

Fundador da empresa, Marcio Kumruian, contou sua história na Campus Party

Gisele Tamamar, Estadão PME,

03 de fevereiro de 2014 | 18h04

Os primeiros meses da Netshoes na internet não foram nada fáceis. A primeira venda, de um par de calçados, só ocorreu no terceiro mês. No mês seguinte, dois pares. Mas isso foi em 2002. Hoje, o e-commerce tem três centros de distribuição que despacham de 25 mil a 28 mil pedidos ou quase 35 mil itens por dia. O faturamento ultrapassa R$ 1 bilhão.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O crescimento da empresa foi contado pelo seu fundador, Marcio Kumruian, durante sua participação na Campus Party, em São Paulo. 

O começo da Netshoes foi com uma loja física, em São Paulo, no ano 2000. Descendente de armênios, o empresário resolveu abrir uma unidade com um primo. Apesar de não começar na internet, o nome da loja está relacionado ao período de abertura do negócio. Só se falava em bug do milênio e internet.

Logo os sócios resolveram abrir a segunda loja física, em um shopping. Inauguraram rápido, mas também fecharam rápido. A conta não fechou: a loja inaugurada em outubro de 2000 fechou em abril do ano seguinte. "Nunca desistimos mesmo tendo um fracasso", disse Kumruian.

A oportunidade de criar um e-commerce surgiu em 2002. "A loja ficou no ar 30 dias e não vendeu nada. Isso podia dar uma desanimada, mas no terceiro mês conseguimos vender um par. No quarto mês vendemos dois. Crescemos 100% de um mês para outro. E aí começamos a animar", lembrou.

No início, os produtos eram levados para os Correios aos poucos, com uma moto. "De repente estávamos levando os calçados em um Fiorino (veículo utilitário da Fiat). Percebemos que ali tinha um caminho. Enquanto o mundo físico crescia por volta de 7% a 10% ao ano, o online crescia 100%, 200%, principalmente no começo", contou.

A decisão de priorizar os produtos esportivos e o e-commerce foi tomada em 2007. Uma decisão polêmica na época. "Imagina chegar em casa no almoço de domingo e contar para a família que você vai fechar as lojas. E explicar para o pessoal mais velho que você vai vender online. Em 2007 eu era o cara quebrado para eles. Mas eles não sabiam que a gente estava construindo um outro modelo de negócio com foco onde achava que podia crescer", disse.

E a empresa cresceu rapidamente. Em 2010, o faturamento foi de R$ 366 milhões. Em 2011, R$ 716 milhões, e no ano seguinte bateu R$ 1,2 bilhão. "Como conseguimos fazer isso sem perder a qualidade? Com planejamento e dormindo às 3h da manhã quase todos os dias. Foi com muito trabalho. Saltamos de 180 funcionários para 2 mil em três anos", contou.

O empresário também prioriza o atendimento ao consumidor. "Talvez por a gente ter vindo do mundo físico e saber o que é colocar um par de sapatos nos pés das pessoas o atendimento ao cliente é uma questão de honra para a Netshoes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.