Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

No Dia do Amigo, conheça cinco amizades que deram certo nos negócios

Para especialista, a amizade tende a ser positiva para os negócios, mas é preciso tomar alguns cuidados

ESTADÃO PME,

20 de julho de 2012 | 07h30

Amigo convida para tomar uma cerveja, para fazer compras, para desabafar e para dar risada. E por que não para abrir uma empresa? Hoje, no Dia do Amigo, listamos cinco empresas criadas por amigos que deram certo e conversamos com um especialista para dar dicas para quem quiser unir amizade e empreendedorismo.

Uma das histórias de sucesso é da Evolubike. Alexandre Lima, Rogério e Renato Rovito são amigos desde a adolescência e sempre conversavam sobre negócios e a intenção de investir em algo ligado à inovação, tecnologia e sustentabilidade. Juntos, eles fundaram a Evolubike, empresa especializada no desenvolvimento de bicicletas elétricas. Só em 2011 foram vendidas 750 unidades. A meta é dobrar esse número em 2012.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Miguel Marinho, Gabriel Lira e Vinícius Matteo idealizaram a loja virtual Muv Custom Shoes para vender e customizar os calçados escolhidos ao gosto do freguês. As sócias Jack Cardoso e Agnes Cruz criaram o Cosmopolish. Elas usaram a moda dos esmaltes para criar um tipo de negócio que começa a ganhar espaço no País: um salão com serviço de bar - ou um bar com manicure.

Já os sócios Carlos Galvão, Carlos Alberto Azevedo, Frederico Azevedo e Frederico Wagner criaram o Grupo Latin, uma agência de marketing esportivo e promocional. Eles identificaram o potencial de crescimento das corridas de rua no País e transformaram, porexemplo, grandes empresas em patrocinadores das provas.

Adriano Lima fundou o Disque Gelada junto com a esposa Denise Galvão Lima e o amigo Felipe Cabral. A empresa entrega bebidas e petiscos em domicílio. Mas não é uma entrega comum. O entregador chega vestido com um macacão amarelo e uma capa vermelha com pose de super-herói e anuncia: “Vim salvar a sua festa."

Para o coordenador do núcleo de empreendedorismo da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), Edson Sadao, a amizade se constitui em um fator de proximidade e tende a ser positiva para os negócios. "Tende porque em alguns casos a amizade sustenta o empreendimento por algum tempo, mas o negócio pode acabar e levar a amizade junto", afirma.

O ideal, segundo Sadao, é que os empreendedores tenham ambições e ideias semelhantes. Mas isso não quer dizer perfis parecidos. O negócio pode dar mais certo se os perfis forem complementares. Um sócio pode ter mais conhecimentos na área comercial e o outro na área administrativa, por exemplo.

O primeiro passo antes de partir para a sociedade é conversar sobre as expectativas e deixar claro o que quer e espera-se de cada sócio. Um sócio pode se dedicar mais ao negócio e o outro entrar apenas como investidor. Isso não tem problema, desde que fique bem claro para ambas as partes. Depois é preciso registrar o acordo em contrato.

"Ter um negócio com um amigo pode ser algo que vai fortalecer o negócio. Mas se algo começar a dar errado, é melhor desfazer o negócio logo antes que a amizade acabe", aconselha Sadao.

 

:: Veja a galeria de fotos com os negócios formados por amigos ::

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.