Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Negócios de alimentação fora do lar devem movimentar R$ 140 bilhões neste ano

Setor deve manter a tradição neste ano e crescer 8,6% em relação a 2013

Estadão PME,

22 de outubro de 2014 | 06h59

Não é à toa que o setor gastronômico aparece com frequência no radar dos candidatos a empreendedores. Em 2014 os brasileiros devem gastar R$ 140,31 bilhões com alimentação fora do lar. Se confirmada, a cifra é 8,6% maior que a registrada no ano passado, quando foram desembolsados R$ 129,18 bilhões, de acordo com dados do Pyxis Consumo, ferramenta de dimensionamento de mercado do Ibope Inteligência.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Mas é preciso calma. O ramo tem seus riscos e, dentre eles, o que remete à uma percepção distorcida da realidade. Engana-se quem acha que para faturar basta saber cozinhar ou gostar de receber pessoas em casa. O coordenador do curso de gastronomia da FMU, Marcelo Malta, afirma que se alguém tem a intenção de abrir um restaurante, é preciso buscar formação. “Eu vejo (o setor de alimentação) como um mercado onde há grandes oportunidades, mas ele é muito específico e muitos (restaurantes) fecham por falta de competência da gestão”, diz.

O especialista também destaca que tendências existem, como a cozinha saudável. Mas isso não quer dizer que o bar que vende o famoso prato feito não possa ganhar dinheiro. “O que as pessoas precisam entender é que isso é um negócio, independentemente se eu amo cozinhar. Posso ter diversos amores, mas o restaurante é uma empresa”, alerta Malta.

:: Leia também ::

Crescem os investimentos em food trucks, mas estacionar ainda é o problema

Restaurantes têm alternativas além do prato na mesa

Negócio investe em linha de produtos com marca própria    

Restaurante faz 'puxadinho' para vender massa pronta e turbina faturamento

Doce vira brinde corporativo e setor aproveita tendência para encher o bolso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.