Divulgação
Divulgação

Negócio de marmita chique antecipa plano de crescimento

Bento Store vai inaugurar uma loja temporária em Campos do Jordão e três operações fixas no Recife, Rio e São Paulo

Gisele Tamamar, Estadão PME,

03 de junho de 2014 | 07h10

Ao incluir estilo e sofisticação a um hábito comum – levar comida e bebida para o trabalho –, a Bento Store inovou no Brasil ao vender produtos que unem design e tecnologia para transportar a tradicional marmita. Depois de inaugurar a primeira loja em dezembro, nos Jardins, os sócios da marca anteciparam o plano de expansão e iniciam mais quatro operações até o fim de julho.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“A expansão viria até o fim do ano, mas acabou sendo mais rápida do que imaginávamos. Fomos procurados pelos shoppings, que enxergaram no negócio uma inovação”, afirma Carlos Ferreirinha, que abriu a primeira loja ao lado do sócio Carlos Otávio da Costa.

A dupla vai investir R$ 1,2 milhão para abrir uma loja temporária no Market Plaza, durante a temporada de inverno em Campos do Jordão, e outras três unidades fixas no Iguatemi, em São Paulo, no Shopping Leblon (Rio de Janeiro) e no RioMar, de Recife. Eles negociam a abertura de mais três pontos no segundo semestre.

A Bento Store, inspirada na tradição dos bentôs, as marmitas japonesas, por enquanto organiza a expansão com foco em construir a marca. “A franquia é a consequência de uma marca e de uma operação que tenha provado a capacidade de ser forte e gerar resultado. Pensamos e estruturamos essa inteligência de expansão que passa por franquia. Mas não devemos franquear a marca pelo menos até o fim do ano que vem”, explica Ferreirinha.

Conceito. A Bento Store foi criada após dois anos de pesquisa. Ferreirinha é diretor da MCF, consultoria de inteligência e gestão para o mercado de luxo e premium. Já Costa era responsável pela programação da rede Cinemark. A vontade de fazer um projeto juntos uniu os sócios que passaram a pesquisar áreas promissoras. A decisão foi focar no bem-estar.

“Estudando o mercado fomos nos deparando com os produtos que vendemos na Bento Store. Identificamos fornecedores que estão exercitando no mundo um movimento de jogar estilo em um hábito que sempre foi muito comum, mas desprovido de sofisticação, lifestyle, o hábito de levar comida e bebida”, conta Ferreirinha.

A loja vende, por exemplo, potes coloridos, porta-sanduíches dobráveis, sopeiras, sacolas térmicas divertidas que recriam o visual dos sacos de papelão e garrafas térmicas que mantêm a bebida gelada por 24 horas ou quente por 12 horas.

São produtos de 20 fornecedores de 10 países diferentes que garantem um faturamento médio mensal para o negócio de R$ 200 mil. O tíquete médio é de R$ 280. “Sabemos que criamos um projeto que antecipa um movimento de mercado”, pontua Ferreirinha.

Para Renato Santos, especialista em modelagem de negócios, a Bento Store tem um conceito interessante ao optar por um novo nicho, com um tíquete médio mais alto. “É cada vez maior o número de pessoas com poder aquisitivo alto que optam pela refeição no local de trabalho e se preocupam com uma alimentação saudável”, pontua Santos.

Atenção. Mas justamente por se tratar de um nicho é que Renato Santos acredita que os sócios podem investir mais no e-commerce e em parcerias com lojas já consolidadas – a estratégia seria aumentar o retorno para fazer frente aos altos custos envolvidos com a operação da loja física. “Estamos trabalhando para que as vendas na internet sejam equiparadas com a loja física. A venda na loja tem tíquete maior. O cliente toca o produto, abre, fecha. No nosso caso, que trabalhamos com itens inovadores, a experiência do tocar e sentir é fundamental”, afirma Ferreirinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.