André Dusek/AE
André Dusek/AE

Não é hora de parar de consumir ou produzir, diz Dilma

Presidente previu que a crise europeia não terminará antes de pelo menos dois anos, mas insistiu que o Brasil não pode temer o período difícil da economia mundial

Luciana Nunes Leal, Agência Estado,

25 de novembro de 2011 | 16h32

 A presidente Dilma Rousseff previu nesta sexta-feira, 25, que a crise europeia não terminará antes de pelo menos dois anos, mas insistiu que o Brasil não pode temer o período difícil da economia mundial. "Não temos que nos atemorizar diante da crise, não podemos parar de produzir, de consumir. Vamos continuar investindo e apostar na inovação tecnológica", afirmou a presidente em discurso durante inauguração de novas unidades do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), na zona portuária no Rio.

"Vivemos um momento muito delicado internacionalmente. A crise europeia não acaba em um ano ou dois, não chego a falar em uma década, mas temos que ter consciência disso. Os Estados Unidos também não estão em situação favorável. Sempre se fala que crise é também oportunidade. O Brasil está diante de várias oportunidades", afirmou a presidente. Dilma comemorou a taxa de desemprego de 5,8% divulgada ontem pelo IBGE e comparou com a da Espanha, "em torno de 22%".

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

A presidente voltou a citar o ingresso de 40 milhões de brasileiros na classe média, nos últimos anos. "Não queremos ser a quinta potência. Queremos ser um país sem pobreza, de classe média e com serviços de qualidade", afirmou a presidente.

Ao falar sobre a necessidade de o País "dar o salto da educação, da inovação e da incorporação de tecnologia", Dilma citou em particular as áreas de saúde e petróleo. "Queremos produzir no Brasil todos os produtos que a nossa Petrobrás vai demandar nos próximos anos. Para vocês terem uma ideia, até 2020 a Petrobrás vai comprar mais ou menos 67 sondas, ao custo de R$ 1 bilhão cada uma. Isso mostra que temos uma demanda muito forte que explica por que, mesmo neste momento de crise, o Brasil seja o país com uma das menores taxas de desemprego", disse.

"Nosso desafio desta década é gerar empregos de qualidade que usem o conhecimento para produzir o que o Brasil hoje importa, gerando empregos no exterior", afirmou a presidente, que mostrou preocupação com o "momento muito delicado internacionalmente", mas destacou a importância de o Brasil "transformar o momento de crise em oportunidade".

Tudo o que sabemos sobre:
EconomiaGovernoProdução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.