Reprodução
Reprodução

Na saúde e na doença: as pessoas casadas são realmente mais satisfeitas, mostra estudo

Estudo indica que nos países mais ricos, o casamento traz níveis elevados de felicidade

Estadão PME,

13 de janeiro de 2015 | 07h22

O casamento pode deixar as pessoas mais felizes? Entre os altos índices de divórcio e jovens postergando ou mesmo desistindo de se casar - se seus países os permitirem abdicar do casamento -, a resposta pode ser um sonoro 'não'.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Alguns estudos já tentaram provar o contrário, pelo menos nas nações mais ricas do ocidente, e mostram que pessoas casadas registram níveis mais altos de felicidade e satisfação em comparação àqueles que nunca subiram ao altar. A partir dessa perspectiva, sua atitude passiva-agressiva diante da seus amigos que não para de se gabar sobre o cônjuge perfeito nas redes sociais é perfeitamente justificável.

Um novo estudo publicado pelo National Bureau of Economic Research vem para fortalecer o grupo dos adeptos ao casamento. A partir da análise de dados sobre sua satisfação em diversos aspectos da vida dos entrevistados, de relacionamentos a status socioeconômico, os autores da pesquisa, Shawn Grover, do Canada's Department of Finace e John F. Helliwell, da Vancouver School of Economics, chegaram a resultados que podem apoiar quem tem o casamento como plano futuro:

- O casamento realmente leva à satisfação: "Mesmo levando em consideração a vida pré-marital, aqueles que se casam são mais satisfeitos do que aqueles que permanecem solteiros".

- Estes benefícios não se esgotam, ao contrário do que indicam outros estudos: "Os benefícios do casamento persistem no longo prazo, por mais que o período imediatamente após o casamento seja de maior sucesso".

- O matrimônio ajuda as pessoas a se manterem firmes nos períodos mais suscetíveis à depressão: "O casamento é visto com maior importância na meia idade, quando as pessoas estão mais sensíveis a mergulhar no bem-estar ou cair na melancolia, não importa o estado civil".

- Faça do seu cônjuge seu melhor amigo: "Aqueles que são melhores amigos dos seus parceiros obtêm os maiores benefícios do casamento e da convivência. O bem-estar do casamento é dobrado para aqueles cujo cônjuge também é seu melhor amigo".

Esses dados podem parecer desanimadores para quem não está a caminho do altar ou de uma parceria para o resto da vida, por escolha ou não. Mas há um lado positivo: a felicidade não é inata, nem definida por genes, portanto, há um controle sobre aquilo que pode levar a uma vida plena, seja casamento, dinheiro, carreira, tempo com amigos.

Tudo o que sabemos sobre:
Casamentofelicidadepesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.