Evelson de Freitas
Evelson de Freitas

Na feira, ponto e conhecimento seguem por gerações

Negócio de pai para filho e mão de obra atípica garantem as peculiaridades do canal de vendas

Renato Jakitas; Estadão PME,

29 de agosto de 2012 | 14h56

O pai que passou para o filho, o sobrinho que assumiu com o primo e o empregado que arrendou o ponto do antigo patrão. A chegada de novos empresário no ramo de feiras livres, quase sempre, obedece a ordem da hereditariedade. São, em geral, profissionais envolvidos desde cedo com o dia a dia do ramo. Um negócio que exige conhecimento sobre a mercadoria e tino para lidar com uma mão de obra bastante peculiar.

“O bastão é de pai para filho, que em um momento é elevado a competência de sucessor. Dificilmente uma pessoa de fora conseguiria se desenvolver nesse mercado”, afirma o especialista Nuno Fouto, da FIA.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“No mercado, não existe um curso, uma preparação para um leigo que queira se tornar feirante. Trata-se de um conhecimento que passa de geração para geração”, destaca o especialista.

Marli Ogata, que vende ovos em três feiras da cidade de São Paulo há quase 30 anos, concorda. “Meu marido trabalhou a vida inteira em granjas, com o pai dele. E esse conhecimento todo é nosso diferencial. Só de bater os olhos em um ovo ele sabe apontar se vale a pena ou não comprá-lo”, destaca.

Michel Coelho, que iniciou na feira aos 12 anos levado pelo irmão, destaca a dificuldade em lidar com os empregados como um outro empecilho a atração de leigos. “É um mundo diferente. A gente tem de saber se relacionar com uma mão de obra muito simples, que ganha pouco e precisa estar o tempo todo motivada. O funcionário precisa estar bem para tratar bem o cliente e gritar a manhã inteira na feira”, afirma.

Atualmente, a cidade de São Paulo tem 863 feiras livres semanais. O setor é formado por 12,7 mil feirantes cadastrados pela contagem oficial do sindicato da categoria. Os números paralelos, que incluem donos de barracas não regularizados, sem matrícula na prefeitura, chegam próximo a 20 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.