Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Momento pode ser uma boa oportunidade

Novos negócios podem ganhar espaço desde que ofereçam produtos e experiências diferentes para o consumidor

Gisele Tamamar, Estadão PME,

28 de janeiro de 2015 | 07h07

Mesmo com um cenário pessimista para a economia, um grupo de empreendedores prefere adotar uma postura otimista e espera apenas pelo sucesso. E para Alexandre Caseira, coordenador da Endeavor no Rio de Janeiro, pode até ser esse o momento para começar um negócio. “Assim como será um ano difícil, é um ano de oportunidades. Onde tem problema para ser resolvido tem uma oportunidade”, afirma o especialista.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Foi essa a estratégia adotada por Guilherme Paulino e Denis Strum – eles lançaram a marca de moda masculina Jack the Barber em outubro do ano passado. A ideia de começar o empreendimento foi de Guilherme, que enxergou uma oportunidade após uma experiência pessoal ruim: ele comprou uma calça e teve de lidar com um prazo longo para que a loja providenciasse os ajustes na peça.

Mesmo sem experiência no mercado de moda, ele enxergou uma oportunidade para lançar uma empresa com peças que seguem padrões diferentes. A calça, por exemplo, chega a ter nove medidas diferentes de cintura e cinco de perna. “Não ficamos colocando números que gostaríamos no nosso plano de negócios. Colocamos números realistas”, conta Strum. O negócio, inicialmente online, atraiu o interesse de 13 investidores-anjo e prevê faturar R$ 5 milhões este ano.

:: Leia também ::

Não será fácil para os pequenos

Atenção ao planejamento vai fazer a diferença

Economia afeta confiança de grandes empresários

Indústria sofre, mas pode se recuperar

Juros altos e redução do crédito impactam comércio e serviços

O momento também é de investimento e expansão na Fernandes Cury, que faturou R$ 15 milhões em 2014. Responsável pela marca de temperos Companhia das Ervas e pelo site Mercado Gourmet Online, a empresa investiu em uma loja física no Shopping Cidade Jardim e no lançamento, no fim do ano passado, de mais duas marcas, a Bendito Fruto e a Collecta.

“Não podemos ignorar esse cenário para 2015, mas só não vou me deixar contaminar com isso. Acredito muito nessas marcas e não vou voltar atrás”, afirma a diretora comercial da empresa, Tereza Cury, que aproveita a primeira experiência no varejo para conversar diretamente com o consumidor. 

Mais conteúdo sobre:
economia2015criseestadão pme

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.