Reprodução
Reprodução

Molho, boneco para adultos...conheça quem lucra indiretamente com a cerveja artesanal

Na terceira e última reportagem da série, conheça os empreendedores que vivem com ideias criativas e à margem da concorrência

Renato Jakitas, Estadão PME,

05 de janeiro de 2015 | 07h00

O mercado de cervejas artesanais explodiu nos últimos três anos no Brasil. E, na esteira desse desenvolvimento, a concorrência expandiu-se rapidamente, dificultando a vida de quem quer investir na área. Mas há um grupo de empresários que conseguiu, com criatividade, migrar seu empreendimento para áreas alinhadas ao setor, porém fora do "olho do furação" que se tornou a competição no nicho.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Túlio Rodrigues é um bom exemplo desse posicionamento indireto. Ele é dono, há quatro anos, de uma instituição de ensino especializada no universo da cerveja, a Beer Academy, que vem capacitando microcervejeiros profissionais e amadores pelo Brasil. Há algum tempo, ele também passou a investir na área gastronômica e lançou uma linha de alimentos, como sorvetes e molhos, todos à base de cerveja.

"A gente percebe que realmente a concorrência é pesada entre os fabricantes de cerveja. Eu sempre fui uma pessoa muito envolvida com esse mercado, mas na hora de montar minhas empresas eu realmente tive a intenção de fugir um pouco desse meio mais tenso, mais disputado", conta Rodrigues.

Bruno Lopes, por sua vez, é dono de uma marca de sabonetes artesanais e que tem na cerveja o seu principal insumo. São sabonetes de cerveja que ele vende na loja online da marca, a confraria-beersoap.com. "O interesse das pessoas é muito grande sobre o tema e eu pego muito desse cliente pro meu negócio. Homem não compra sabonete, homem não se preocupa nem em tomar banho. A nossa sacada é usar a cerveja mesmo no produto e, assim, temos algo muito interessante para o público", destaca.

Outro que se diz apaixonado pelo mundo da cerveja artesanal, a ponto de investir na área, mas não com um fábrica, é o diretor de arte Alexander Michelbach. Radicado na Suíça, ele primeiro lançou uma série de guias com as cores das cervejas artesanais, o Beertone, que teve sua primeira incursão com 202 marcas suíças e, posteriormente, outra versão com 202 marcas brasileiras. Agora, entretanto, ele lançou um toy art, como são chamados os brinquedos para adultos, geralmente empregados para decorar a casa, feito para amantes da cerveja.

O Brewce, como foi batizado o produto, está neste momento em busca de financiamento coletivo no Indiegogo.

Ele tem o formato do lúpulo e, na barriga, um espaço com ímã para que se possa personalizar o objeto com a tampinha da marca predileta. "Já era algo que o pessoal fazia. Eles pegavam bonecos e tiravam fotos com as tampinhas das bebidas. O que eu fiz foi produzir um toy art para isso", conta o brasileiro, que depois de cinco anos na Europa pretende retornar ao Brasil em 2015. "Não é algo para ficar rico e resolver meu problema. Mas como todo designer, é algo legal e que, se pagar os custos, já vai ser um sucesso pra mim", destaca.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.