Micro e pequenas empresas paulistas perdem R$ 100 bilhões em um ano, afirma Sebrae-SP

Micro e pequenas empresas paulistas perdem R$ 100 bilhões em um ano, afirma Sebrae-SP

Crise econômica afetou todos os setores da economia e segmento de serviços caiu 16,9% em 2015

DANIEL FERNANDES, ESTADÃO PME,

11 de fevereiro de 2016 | 10h06

Atualizada às 19h48

As micro e pequenas empresas paulistas registraram queda de 14,3% no faturamento real (quando já se desconta a inflação), em 2015 na comparação com o balanço do ano anterior.

Trata-se da maior queda na receita anual das MPEs desde 2002 e significa dizer que os empreendimentos do Estado de São Paulo deixaram de acumular R$ 100 bilhões em um ano – a receita total das micro e pequenas empresas paulistas no ano passado foi de R$ 597,2 bilhões.

De acordo com o Sebrae-SP, responsável pelo levantamento, a desaceleração da economia, a retração do consumo das famílias e a inflação acima do teto da meta contribuíram para o resultado negativo. Essa redução de consumo, por sua vez, pode ser explicada pela queda nos níveis de emprego e a baixa confiança do brasileiro.

“Vai ser um ano de muita tensão, não é possível falar em alguma melhora”, avalia o diretor técnico do Sebrae-SP Ivan Hussni. “Com esse resultado, acendemos um sinal amarelo. É tempo de conhecer melhor o negócio”, pontua.

Por setor, a queda mais contundente foi na receita das empresas prestadoras de serviços, que viram o faturamento despencar 16,9% no período – foi a primeira vez desde 2009, quando o País enfrentava os efeitos da crise financeira mundial, que o setor terminou um ano com redução no faturamento. Em 2015, a receita  das pequenas indústrias também registrou queda, só que de 10,9%. O comércio, que historicamente mantém um desempenho superior aos demais segmentos, encolheu  13,2%.

A crise também afetou os microempreendedores individuais. Os MEIs de São Paulo registraram queda de 21,8% no faturamento real de dezembro de 2015 ante mesmo período do ano anterior - a receita total no mês chegou a R$ 2,7 bilhões.

Confiança. Apesar dos números pouco favoráveis, o diretor técnico do Sebrae avalia que o micro e pequeno empreendedor está mais otimista, tendência constatada pelo Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN). Em novembro, último levantamento da série, o levantamento mensal resultou em 99 pontos, um ponto acima do registrado no mês anterior. “Quem acredita no próprio negócio vai ter mais criatividade, mesmo sob uma estrutura enxuta.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.