Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Metrô de Pequim oferece livros eletrônicos aos passageiros

Pessoas podem trocar o Angry Birds pelo download de alguma leitura

Estadão PME,

11 de março de 2015 | 07h28

O metrô em Pequim, na China, oferece sinal de wi-fi e os passageiros costumam utilizá-lo para chegar e-mails ou passar o tempo com jogos no celular. Agora, o sistema de transporte daquele país oferece uma outra alternativa de entretenimento: a leitura de livros.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Estão disponíveis nas composições painéis com códigos do tipo QR Code. Com um scanner deste tipo de codificação no celular, os passageiros podem fazer downloads gratuitos de livros da Biblioteca Nacional da China (NLC).

A ideia surgiu a partir da boa aceitação que os usuários do metrô tiveram de uma ação de troca de livros realizadas nas estações do metrô, há alguns anos. À época, os passageiros fizeram filas enormes para adquirir as publicações.

São 70 mil obras selecionadas para fica a disposição dos usuários do serviço, com gêneros que variam entre literatura clássica e ficção científica.

A escolha dos títulos, segundo a empresa que administra o metrô chinês, foi feita com base na preferência dos usuários composta em maior parte por estudantes e trabalhadores mais jovens.

O metrô de Pequim não é o primeiro a oferecer livros. Em Xangai, outra grande cidade chinesa, uma livraria criou uma biblioteca física na qual os passageiros podem retirá-los para leitura e entregá-los em outras estações.

Em Bucareste, na Romênia, as paredes de uma estação foram pintadas com se fosse uma grande estante de livros e cada um possui um QR Code para download. 

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoNegóciosCulturaChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.