Mesa permite interação entre estranhos em Nova York
Mesa permite interação entre estranhos em Nova York

Mesa para dois ajuda pessoas a interagir com estranhos

Separadas por um vidro transparente, indivíduos ficam frente a frente e decidem se querem se comunicar

Estadão PME,

06 de abril de 2015 | 07h14

Enquanto os aplicativos de relacionamentos não param de crescer e de se multiplicar, as pessoas que vivem em grandes cidades parecem cada vez mais solitárias em espaços públicos. Parece existir uma resistência à interação entre indivíduos completamente estranhos um ao outro pessoalmente, porém isso seria perfeitamente normal em uma rede social.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O fato foi inspiração para uma nova instalação em um café de Manhattan, onde a artista francês Shani Ha construiu uma mesa desenhada para unir estranhos. Metade da mesa fica dentro do café e a outra parte na calçada. Através da janela de vidro transparente, quem está sentado pode, se desejar, interagir com o outro sentado à sua frente.

"Quando me mudei para Nova York percebi rapidamente que eu não estava confortável para interagir com pessoas em lugares públicos e as relações são mais contidas nesses espaços", explica Ha ao portal Fast Company. "Foi bem frustrante no começo. Eu tentei entender porque as pessoas têm tanto medo umas das outras quando todos estão conectados às redes sociais. Então imaginei cenários em que estranhos pudessem se sentir seguros e encorajados para experimentar a interação de uma forma positiva."

Sentar na "Table for Two" pode ser desconfortável no começo, principalmente se ninguém está do outro lado. Ainda sim, para maioria das pessoas que tentaram, a experiência se tornou positiva quando, na rua, começaram a parar, sorrir, tirar fotos. "É confortante receber a aproximação de pessoas que simplesmente olham do outro lado do vidro sem uma razão específica", explica Shani.

A instalação é temporária, mas a artista acredita que há uma tendência em modificar o design das cidades para facilitar as conexões pessoais com indivíduos ao redor. "Acredito que tudo que faz barulho tem um impacto no nosso comportamento", reflete Ha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.