Helvio Romero/AE
Helvio Romero/AE

Mercado de festas infantis agora diversifica serviços para ganhar espaço

Setor oferece eventos que podem reunir tantos convidados quanto um casamento

CAROLINA DALL´OLIO, ESTADÃO PME,

12 de outubro de 2011 | 14h33

Ao dar uma olhada no número de comemorações que alguns pais preparam hoje para seus filhos, fica fácil entender porque o mercado de festas infantis ainda apresenta boas oportunidades de negócio. E como as mães hoje trabalham, muitas não conseguem arrumar tempo para organizar uma festa – mas têm dinheiro para contratar quem faça isso por elas.

A longa lista de festas infantis começa antes mesmo de a criança nascer, com o chá de bebê. O que antes se resumia a uma reunião informal entre amigas, ganhou status de evento e pode reunir tantos convidados quanto um casamento. A depender do tamanho do bolso do casal.

Logo depois do nascimento do nenê, lá vem outra novidade. Um número crescente de pais tem aderido a uma comemoração pouco usual, criada para evitar que o bebê receba muitas visitas em casa. Chama-se “chá de apresentação”, uma festa em que a criança é apresentada para a família e para o círculo de amigos do casal de uma só vez.

Ainda não acabou. Nas famílias católicas, é possível que os pais organizem outra festa muito em breve: a comemoração do batizado. Até que, enfim, a criança complete um ano e inaugure a era dos aniversários infantis.

“As principais oportunidades para quem pretende abrir um buffet ou quer montar uma empresa que forneça produtos e serviços para festas infantis é se especializar em comemorações voltadas para crianças de até 3 anos de idade”, indica Zuleica Russi, organizadora do Mega Festas Kids & Teen, exposição que reúne fornecedores do setor.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Para Zuleica, as empresas com foco neste público vendem mais, conseguem fidelizar o cliente desde o berço e ainda sofrem menos com as oscilações do cenário econômico. “Pai e mãe sempre dão prioridade para a festa do filho, principalmente nesta idade”, afirma a organizadora do Mega Festas.

As festas mais simples, para 50 pessoas, não costumam sair por menos de R$ 3 mil, estima Zuleica. A partir daí, a imaginação e a disposição a gastar é que ditam o limite das despesas. Não é difícil encontrar organizadores que já tenham feito festas de R$ 50 mil para crianças.

O ramo oferece muitas oportunidades, sem dúvida. Mas também apresenta concorrência acirrada. “É preciso construir uma reputação no setor para conseguir indicações”, reforça Zuleica. “ E ter um diferencial também é importante, porque há muitas empresas já estabelecidas no mercado.”

A demora para que a empresa ficasse conhecida foi a principal dificuldade enfrentada por Kika Duarte, dona da Auguri Festas. “Nesse setor, a propaganda não adianta muito. O que vale é o reconhecimento do seu trabalho pelos pais das crianças e pelas pessoas que frequentam as festas”, afirma. “São eles que vão trazer outros clientes.”

As festas organizadas pela Auguri, normalmente voltadas para crianças de até 3 anos, costumam custar entre R$ 5,8 mil e R$ 7,2 mil. Para 50 pessoas. Ela fornece o serviço de buffet e a decoração.  No setor há nove anos, Kika acredita que a principal tendência desse mercado é a personalização. “Ninguém quer uma festa igual àquela feita para a outra criança. Cada mãe que entra aqui pede para eu criar uma coisa nova, que tenha a cara do seu filho.”

Ao organizar uma festinha com a cara de sua filha Catarina, a empresária Fernanda Quintanilha e sua cunhada Priscila Quintanilha acabaram criando um novo negócio. O Chá das 5 é o nome da empresa que organiza um chá de bonecas para comemorar aniversários de meninas que tenham entre 4 e 9 anos.

“A ideia foi retomar costumes simples, que foram perdidos, e assim estimular a convivência entre as crianças”, define Priscila. A empresa leva todo o mobiliário, a decoração e as comidinhas para a festa, que pode comportar no máximo 20 meninas. Recém-criada, a empresa atua em São Paulo e Brasília. O trabalho já foi contratado por uma academia de balé (que quer fazer um chá de confraternização para as alunas) e por muitas menininhas doidas para brincar de boneca com as amigas. O preço do serviço? R$ 120 por criança.

:::LEIA TAMBÉM::: 

::Laboratório só para mulheres cresce atento aos detalhes::

::Empresa cria jeito brasileiro de beber chá e faz sucesso em SP::

::Corrida de rua é opção de negócio para os donos de pequenas empresas::

::Sucessão nos negócios: pai e filho comandam o restaurante Mocotó::

::O que o empreendedor precisa fazer para ter um bar de sucesso::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.