Carlos Eduardo também oferece cursos
Carlos Eduardo também oferece cursos

Mercado de doces deve ganhar espaço

Encomendas no Natal superam as vendas da Páscoa em mercado de São Paulo especializado em itens de confeitaria

Roberta Cardoso, especial para o Estado,

16 de outubro de 2015 | 07h07

O Natal deste ano pode até vir a ser mais magrinho para o varejo, mas no que depender do empresário Carlos Eduardo Heilberg, à frente da marca Bondinho Chocolates, loja familiar com 40 anos de atuação no mercado de produtos para confeitaria, a data vai ter ceia farta e presentes saborosos.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Páscoa e Natal são as datas que trazem mais movimento para a loja. E ainda assim é muito diferente o consumo quando comparamos as duas”, explica o empresário. Segundo ele, o movimento por causa das festas de fim de ano cresce 10%. Isso porque o mercado atrai uma grande quantidade de padarias, docerias, cafés, restaurantes e outros pequenos negócios que precisam aumentar o estoque no período.

O lugar também fica apinhado de doceiras informais, que aproveitam a data para complementar a renda fazendo panetones, biscoitos e toda a sorte de guloseimas e lembrancinhas comestíveis para o Natal. “A grande maioria aproveita para tentar aumentar o orçamento, mas tem muita gente também que vem porque Natal é uma data em que as pessoas gostam de caprichar na ceia”, conta.

:: Veja também ::

Natal da crise vai exigir jogo de cintura

Ainda dá tempo de criar um site de vendas

Expansão em tempos difíceis

Como converter em lucro uma 'olhadinha'

“Além disso, tem uma tendência que não está necessariamente ligada à crise, mas com a mudança de comportamento mesmo. Hoje, as pessoas não querem só dar de presente um panetone. Elas querem dar um panetone mais personalizado, que ela tenha feito, com a embalagem que ela escolheu, com o recheio que ela preparou”, explica o empreendedor.

Acostumado com o fluxo de doceiros informais, Carlos Eduardo e a irmã, Alessandra Heilberg, com quem ele divide a administração do negócio, passaram a oferecer cursos de capacitação gratuitos aos que frequentam o local. “Eles ajudam a pessoa que gosta de fazer doces, mas que não tem muita experiência e familiaridade com os ingredientes.”

A estratégia, que nasceu de tanto conversar com a clientela, ajuda a fidelizar a freguesia. O espaço, geralmente lotado em fins de semana, e sempre movimentado em dias úteis, passou por uma reestruturação em 2010, quando os irmãos assumiram o comando do negócio. Entre as mudanças realizadas desde então, está a de contemplar um grande sortimento de marcas e produtos que, até pouco tempo atrás, ficavam restritos ao universo formal e distante de quem está começando.

“A gente está sempre muito atento ao mercado. Participa de feiras e eventos dentro e fora do País para ficar por dentro das novidades e tenta sempre trazer o que há de melhor”, revela o empresário.

Oportunidades. Negócios como o Bondinho Chocolates ganham espaço no País, também, por conta de outros pequenos empreendedores que descobriram que há um caminho interessante para quem atua com a diversificação das ‘lembrancinhas’ e atende, portanto, o mercado corporativo. “Doces menores, estilizados e em caixinhas coloridas. Eles têm um custo menor. Um buquê de flores custa R$ 40”, afirmou Adri Vicente Junior, especialista no setor de alimentação e que acredita que há oportunidades para empresários que pretendem atuar com essa estratégia.

Para Adri Vicente, neste segmento, até mesmo empresas grandes procuram, em períodos de retração como o atual, sair do mercado onde atuam para buscar outros horizontes.

Também experiente, Heilberg dá outras dicas aos candidatos a empreendedores. “A melhor que eu poderia dar tanto para pessoas que vão usar o Natal para incrementar os rendimentos ou quem quer fazer os próprios presentes e receber a família para uma ceia caprichada, é não deixe as compras para a última hora. Esse é o momento de montar cardápio, pensar em embalagens, entender um pouco mais daquilo que se vai fazer”, finaliza.

Como se vê, o Natal da crise pode se transformar em data próspera para quem trabalha com produtos cujo tíquete médio é naturalmente menor.

Tudo o que sabemos sobre:
docesestadão pme

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.