Erica Dezonne/Estadão
Erica Dezonne/Estadão

Marcas de congelados apostam em atleta amador e frequentador de academia

Opção atrai quem segue uma dieta alimentar com poucas calorias ou apenas quem busca uma opção saudável de consumo

Gisele Tamamar, Estadão PME,

25 de junho de 2014 | 06h58

As marcas de comida congelada estão atentas aos adeptos de atividades esportivas ou a turma da malhação, em academia. Nesse sentido, para além das opções tidas como saudáveis, os produtos estampam a palavra ‘light’ nas embalagens e exploram atributos como de alimentos funcionais – seja no varejo tradicional, seja no virtual.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A Pronto Light, por exemplo, foi criada pelo empresário Eduardo Dimand. Ele começou a praticar fisiculturismo e aderiu à dieta recomendada por nutricionistas para maximizar os resultados dos exercícios. Ao encarar a dificuldade em conciliar a alimentação com a rotina de trabalho, Dimand enxergou nisso uma oportunidade de negócios. Em companhia de dois amigos, Pedro Pandolpho e Fernando Negrão, a empresa saiu do papel.

Atualmente, a Pronto Light foi transferida para um espaço maior, que pode aumentar em sete vezes a capacidade de produção atual de 30 mil pratos por mês. A nova instalação consumiu R$ 1 milhão de investimento e será primordial para execução do plano de expansão para fora da cidade de São Paulo.

:: LEIA TAMBÉM ::

Comida congelada, mas caseira e saudável

Franquia é opção para quem não quer fábrica

Tem até brigadeiro no freezer

Atualmente, o e-commerce é o carro-chefe do negócio que registrou faturamento de R$ 3,5 milhões no ano passado. “Temos um público de academia, um pessoal que treina, mas também é muito forte um público que consome o produto pela conveniência e por ser saudável”, destaca Pandolpho.

Já a All Light não nasceu com foco nos congelados, mas da entrega de comida fresca. A iniciativa foi da publicitária Cacau Mello, que comia fora de casa todos os dias e buscava alternativas para facilitar sua vida. “Trabalhei mais de dez anos e sempre tive um plano B na manga que era uma empresa de comida saudável”, conta.

Cacau se juntou a chef Caro Gal para criar a empresa em agosto de 2011. Em janeiro do ano seguinte, a dupla lançou a linha de congelados que já representa quase 50% do faturamento da empresa. “Os clientes pediam congelados e observamos uma oportunidade. É um mercado promissor”, observa. “Ninguém tem tempo e todo mundo quer ter uma alimentação mais elaborada e ao mesmo balanceada. E o congelado para algumas pessoas é a única saída”, afirma.

Segundo a publicitária, o fato da comida ser preparada por uma chef, junto com embalagens divertidas e coloridas, é um diferencial. “As comidas não lembram regime, aquela coisa de frango grelhado com salada”, diz. Um dos pratos vendidos, por exemplo, é a moqueca de siri com purê de abóbora.

“Nossa ideia é aumentar a produção de congelados. Vimos que a categoria cresceu muito rápido nesse último ano”, pontua Cacau. A All Light entrega de 160 a 180 kits de comida fresca por dia e produz 8 mil pratos congelados por mês. Os congelados são vendidos pela internet e em empórios.

Academias. O escondidinho de batata doce com frango é o prato mais vendido pela Muscle Bistrot. Conhecida por ter um baixo índice glicêmico, esse tipo de batata é bastante consumido entre os praticantes de musculação. “A empresa surgiu de uma necessidade. Não tinha nada parecido no mercado”, conta Fernando Teixeira Guedes, um dos sócios da empresa, ao lado dos amigos Marcos Borrelli e Gustavo Bicalho.

Todas as refeições vendidas pela empresa são individuais, divididas em porções de 300 gramas. “O foco sempre foi praticantes de musculação, mas o produto acabou ganhando outros públicos. São pessoas que necessitam seguir uma dieta mais saudável ou quem segue um estilo de vida saudável”, conta Guedes, que prevê um faturamento de R$ 1 milhão para 2014. A Muscle Bistrot vende os produtos em sua loja virtual para Grande São Paulo e também trabalha com distribuidores em todas as capitais brasileiras.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.