Divulgação
Divulgação

Marca para festa infantil aposta em Chapeuzinho Vermelho para desbancar a Galinha Pintadinha

Empresa paulista acaba de ser lançada e disputa o mercado de consumidores com maior poder aquisitivo

Renato Jakitas, Estadão PME,

08 de dezembro de 2012 | 09h50

Duas empresárias propõem em São Paulo uma rota alternativa para um mercado que, até então, tem avançado por uma única via. Elas acabam de lançar uma marca de produtos para festas infantis com preço alto, qualidade superior, mas sem investir um único centavo com agências de licenciamento.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

E a novidade está justamente ai. Até então, esse mercado vem sendo dividido por dois modelos: os das empresas que comprometem parte significativa de seu orçamento com a aquisição de personagens e marcas de sucesso entre as crianças – Patati Patatá e a Galinha Pintadinha que o digam – e aqueles que abdicam dessa estratégia e, como consequência, disputam a atenção do consumidor em virtude do preço baixo.

“Nós estamos propondo algo diferente. Não vou comprar licenciamento, que já é um mercado praticamente dominado por um concorrente, mas vou investir em qualidade para conquistar os pais que querem um produto diferente”, afirma Gabriela Affonso Giannella, sócia da Bossinha, a marca em questão.

Com personagens de domínio público (como Chapeuzinho Vermelho e os Três Porquinhos), “Princesas” alternativas, e “Carros” que não são os da Disney, ela diz ter redirecionado os recursos que seriam empregados na aquisição dos licenciamentos para a composição de portfólio. “A gente têm copos e pratos de papel, não de plástico, guardanapos grandes. Com relação ao mercado, é um produto bem diferente”, afirma ela, que pratica preços até 16% acima da concorrência com produtos licenciados.

“Esperamos um faturamento de R$ 1,5 milhão para o primeiro ano. Nosso produto é vendido apenas em nosso e-commerce, mas já começamos a conversar com redes de varejo para ampliar a distribuição”, afirma Gabriela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.