Divulgação
Divulgação

Mania de presentear inspira negócio de R$ 4 milhões

Dreams Arquitetura de Ideias e Comércio de Presentes se destaca no mercado com produtos criativos

Estadão PME,

05 de agosto de 2012 | 13h09

As amigas e publicitárias Marcelle Comi e Fernanda Lancellotti, ambas com 32 anos, sempre gostaram de presentear os amigos. Juntas, elas resolveram levar essa criatividade para escolher os presentes para o mercado corporativo e fundaram a Dreams Arquitetura de Ideias e Comércio de Presentes há nove anos. A empresa já faturou R$ 4 milhões em 2011 e espera ultrapassar os R$ 5 milhões este ano. Só no primeiro semestre, a agência já alcançou 80% da meta e os meses de maior faturamento ainda estão por vir.

A equipe de 15 funcionários trabalha para desenvolver produtos, promoções para ações de relacionamento, aniversários e ações promocionais no ponto de venda, por exemplo. Mais de mil produtos diferentes já foram criados. "Buscamos nos diferenciar e fugir do que o mercado tradicional de brindes oferece", afirma Marcelle.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Um dos produtos desenvolvidos foi o kit viagem com bloco de anotações e mapa para clientes de um cartão de crédito. Em uma ação para o Dia das Mães para as funcionárias de uma grande empresa, a agência criou um colar com pingente de coração. "Foi uma ação para toda a base de funcionários, desde as operadoras de pedágio até a diretoria. Foi uma ação que emocionou todo mundo", lembra Marcelle.

Este ano, a empresa participou de um projeto da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de organizações de pequenas empresas. "Eu e a Fernanda não temos formação em administração. Fomos aprendendo no dia a dia, na prática. A equipe da FGV só agregou conhecimento", relata Marcelle. Os alunos estudaram a Dreams e detectaram uma necessidade de dar mais atenção para a parte financeira e administrativa.

A agência funciona com um formato de remuneração onde cada funcionário recebe uma parte do pagamento feito pelo cliente. No começo, quando a agência atendia cinco, dez clientes, era mais fácil. Agora, com um volume de trabalho maior, ficou complicado. O projeto da FGV ajudou a simplificar o sistema, a maneira de cobrança e o cálculo. "As mudanças vão trazer facilidades ao dia a dia na parte financeira, contribuir para a empresa continuar saudável. Com os números mais claros, podemos desenhar as estratégias com mais facilidade", afirma Marcelle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.