Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Loja faz sucesso ao vender em São Paulo bonecas negras, orientais e até deficientes

Conheça a Preta Pretinha, empresa que ganha destaque no bairro da Vila Madalena

DANIEL FERNANDES, ESTADÃO PME,

25 de setembro de 2012 | 16h20

 A inspiração surgiu ao observar um grande comunicador brasileiro, mas foi a inovação que garantiu à empresária Antonia Venâncio e suas irmãs a relevância necessária para transformar em sucesso uma 'simples' loja de bonecas instalada na Vila Madalena, um dos mais tradicionais bairros de São Paulo.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

"Eu pensei: 'vou fazer como o Abravanel, o Sílvio Santos. Vou fazer o corpo a corpo'. Eu não queria ter muitos gastos e chamei algumas mulheres da família e que desejavam ter alguma renda, mostrei o projeto e começamos a trabalhar em conjunto", afirma Antonia. Começa assim a Preta Pretinha.

O cooperação familiar ajudou a empresária, que antes havia fracassado com a administração de um café. Mas a proposta do negócio parece ser mesmo a grande virtude do estabelecimento. Antonia vende bonecas étnicas. "Tinha a boneca negra, a oriental e pensei: 'tenho que fazer a ruiva também, vou trabalhar com etnia.'" A estratégia deu certo e Antonia passou, ainda, a produzir bonecas cadeirantes, amputadas...

Mas o sucesso na proposta do negócio, ressalta a empresária, não seria o mesmo não fosse a escolha do bairro ideal para iniciar a sua empresa. "Eu resolvi montar na Vila Madalena, onde eu nasci, porque é um bairro com perfil eclético, de pessoas que valorizam a arte e onde esse projeto não iria causar estranheza."

Antonia lembra ainda da avó, que sempre trabalhou a auto-estima das netas e de alguma forma também inspirou a proposta do negócio muitos anos atrás, quando ela mesma produzia as bonecas - negras - para as crianças da família. "Ela sempre disse que se você quer ter alguma coisa, precisa correr atrás e nunca desistir."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.