Preocupação com proliferação do Aedes levou população e empresas a buscar
Preocupação com proliferação do Aedes levou população e empresas a buscar

Limpezas de caixas d’água e calhas entram no foco de combate ao mosquito da dengue

Funcionários orientam consumidores sobre os perigos que podem estar escondidos e estratégia amplia ganhos no período

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo,

24 de fevereiro de 2016 | 07h40

Para além da dedetização, algumas empresas se preparam para prestar serviços acessórios ligados ao combate do mosquito Aedes aegypti, como limpeza de caixas d’água e calhas, que podem acumular água da chuva e se tornarem criadouro – o mosquito deposita seus ovos na água parada. Além disso, controle de vazamentos e desentupimentos também estão associados à proliferação do Aedes.

:: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A rede Roto Rooter lançou mão dessa estratégia para multiplicar a demanda por esses serviços, que representam 70% do faturamento anual da companhia. A percepção de que o combate ao mosquito vai além da dedetização começou a aparecer no ano passado, quando os próprios técnicos responsáveis pela higienização dos ambientes começaram a contrair doenças como dengue no ambiente de trabalho. Além de mosquitos, os funcionários do empreendimento estavam, na verdade, se deparando com seus criadouros.

A estratégia da Roto Rooter foi, desde então, levar uma campanha de conscientização ao cliente que solicita qualquer serviço e, dessa maneira, despertar sua consciência sobre a necessidade de adotar as medidas oferecidas pela empresa.

“O que fizemos, do ponto de vista de negócio, foi incorporar um trabalho de inspeção em qualquer serviço”, explica o sócio operacional e responsável pela expansão da rede, Mauro Leite. “Com isso, temos um leque de atuação muito maior, com a adoção de desentupimento, controle de vazamentos e limpezas”, conta.

Ao adotar essa estratégia, a Roto Rooter comemora o crescimento de 16% na demanda pelos serviços acessórios e a consequente ampliação de 14% na receita do último mês.

“Ao prestar serviços, orientamos nossos funcionários que tivessem olho clínico para analisar e averiguar focos de mosquito e, a partir de então, orientar o cliente sobre quais serviços periféricos de limpeza podem ser adotados”, relata o porta-voz.

Conforme detalha Mauro Leite, o mosquito pode se desenvolver em focos pouco visíveis para o público leigo no assunto, o que torna a dedetização pontual ineficiente em muitos casos. “O entupimento de um sistema hidráulico pode causar um acumulo de água impossível de ver. O mosquito também se desenvolve ali.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.