Divulgação
Divulgação

Legalização da maconha nos EUA impulsiona o empreendedorismo e cria mercado de R$ 3,2 bi

Estudo divulgado nesta semana mostra o potencial de vendas da substância no país

ESTADÃO PME,

06 de novembro de 2013 | 08h24

 A venda legalizada de maconha transformou-se em opção de negócios para muitos empreendedores nos Estados Unidos. E muito mais: tornou-se um mercado milionário. Uma pesquisa divulgada nesta semana naquele país indica que a 'indústria da maconha' nos Estados Unidos vai atingir US$ 1,43 bilhões (R$ 3,2 bilhões) em vendas neste ano - e chegar a US$ 2,34 bilhões (R$ 5,36 bilhões) em 2014.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O estudo State Of Legal Marijuana Markets informa ainda que mais de 590 mil norte-americanos vão adquirir a substância de forma legal até o fim do ano.

A Califórnia continua a liderar o mercado de maconha no país. De acordo com a pesquisa, a região arrecada US$ 980 milhões com a venda do produto - mas a expansão do mercado se dá em ritmo mais acelerado  no Arizona, que espera atingir US$ 134 milhões em vendas no próximo ano - deve fazer US$ 22 milhões em 2013.

Oportunidades. A maconha é legalizada para fins medicinais em 18 estados norte-americanos e em dois a substância pode ser usada para fins recreativos. E essa legalização tem feito surgir no país uma série de negócios ligados ao produtos.

Uma empresa criou, por exemplo, a Nugtella, creme que mistura chocolate com maconha medicinal em uma embalagem semelhante à tradicional Nutella, criada em 1963 pela italiana Ferrero e conhecida mundialmente. A Nugtella é feita com chocolate de avelã e óleo de haxixe, substância extraída da folha da maconha.

::: Leia também :::

Maconha estimula abertura de novos negócios

Maconha na Nutella vira batalha judicial

Tudo o que sabemos sobre:
maconha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.