Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Lava-rápido faz sucesso dentro de bar

Empresário de São Paulo diversificou serviços de forma inusitada e dessa maneira aumentou o faturamento do local em mais de 400%

Ligia Aguilhar, Estadão PME,

29 de novembro de 2011 | 06h22

A aprovação da lei seca, em 2008, transformou-se ironicamente em oportunidade para o empresário Maurício Laranjeira fazer o seu recém-inaugurado bar crescer. Vizinho de botecos tradicionais da Vila Madalena, ele viu a concorrência perder até 60% dos clientes e os poucos frequentadores do seu estabelecimento também desapareceram. Para superar os efeitos da lei, a saída encontrada foi diversificar, investindo em um negócio inusitado: abrir uma lava-rápido para motos dentro do bar.

A ideia surgiu quando, em um dia de chuva, o empresário precisou guardar sua moto dentro do estabelecimento. Acostumado a frequentar um lava-rápido especializado em Higienópolis, ele queixava-se da falta de estrutura adequada para abrigar os clientes durante a espera. “Mal tinha um banco para sentar”, conta.

Ao notar que dentro do bar havia espaço suficiente para estacionar o veículo, o empresário também percebeu que poderia atrair uma nova clientela para o local agregando o serviço de lavagem de motocicletas.

O resultado não demorou para aparecer. Com o serviço de lava-rápido, a frequência do bar cresceu 70%, enquanto o faturamento teve incremento superior a 400%. “Eu não imaginava que existia um universo tão grande de clubes de motociclistas. Eu sabia apenas que em Higienópolis havia muitas motos e poucos lugares para cuidar delas”, explica o empreendedor.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Laranjeira contou com a ajuda de um amigo, dono de oficina mecânica, para montar a estrutura, contratar e treinar funcionários para o lava-rápido. O investimento total de R$ 40 mil veio de um financiamento bancário.

Sem dinheiro para investir em marketing, a solução foi divulgar o serviço no ‘boca a boca’, fechar parcerias e criar promoções para atrair clientes. A cada lavagem, por exemplo, os compradores de uma determinada marca de motocicleta ganhavam um jantar no Santa Gula – pizzaria que também pertence a Laranjeira e fica ao lado do estabelecimento – e no horário do almoço o combo lavagem mais refeição era vendido ao cliente por um valor promocional.

“Em vez de permanecer no bar durante os 40 minutos do serviço de lavagem, muitos ficam até três horas conversando com outras pessoas e consumindo”, conta. Resultado: o ticket médio aumentou de R$ 15 para R$ 35 e o faturamento subiu de R$ 30 mil para R$ 160 mil mensais. No total, o lava-rápido atende cerca de 120 motos por semana.

Os motociclistas que vão ao local, em sua maioria, são mais velhos e chefes de família. Por isso, segundo o empresário, a frequência deles, muitas vezes, se resume ao dia da lavagem da moto. Para compensar, o empresário investe em torneios de sinuca, videogame e em noites temáticas com DJs, nesse caso focando no público jovem, maioria na Vila Madalena.

Estratégia

Segundo o consultor do Sebrae-SP, Wlamir Bello, agregar serviços é uma estratégia recomendada a empresa determinada a conquistar um diferencial competitivo. “Um bar sem uma temática é só mais um bar. Hoje, um negócio só consegue crescimento sustentável se tiver diversificação porque o cliente quer perder cada vez menos tempo”, diz o especialista. Essa diversificação, entretanto, pode ser obtida até mesmo por meio de parcerias com outros estabelecimentos, caso o empreendedor não domine o mercado que pretende investir.

Segundo Wlamir, porém, o empreendedor precisa ter cuidado para não oferecer uma série de itens inúteis para os clientes. “Quanto mais serviços uma empresa agregar, melhor, desde que sejam complementares entre si, sob o risco do estabelecimento perder público”, alerta o especialista. Segundo ele, na busca por novos clientes vale tudo, até mesmo mudar o foco da empresa, desde que não se perca de vista o público-alvo. “Quem quer atender todo mundo não atende ninguém”, ressalta o consultor do Sebrae. 

Tudo o que sabemos sobre:
EmpresaBarGestão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.