Reprodução
Reprodução

Jogo incentiva movimentos terapêuticos para quem tem deficiência nos membros superiores

Projeto é testado em vítimas do uso da talidomida

Estadão PME,

20 de fevereiro de 2015 | 07h11

O potencial dos games para encorajar a atividade física vem experimentando um desenvolvimento extraordinário para a indústria do entretenimento. Tanto que algumas empresas já vislumbram caminhos ainda mais específicos e direcionam a produção de games para indivíduos com necessidades específicas de movimentação.

É o caso do Fraunhofer Institute, que desenvolveu um jogo para as vítimas do uso da talidomida, medicamento que pode provocar má formação de membros em fetos caso a mãe o utilize durante a gravidez.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O jogo, que ainda não tem nome, incentiva movimentos específicos que incentivam funções motoras, concentração e coordenação motora. O jogo já começou a ser utilizado em forma de teste em pacientes que controlam um avatar pelos movimentos da parte superior do corpo.

O controle para o jogo é literalmente vestido pelo jogador, como um par de ombreiras inteligente, que contêm pequenos sensores. Elas monitoram os movimentos do jogador e as transmitem via Bluetooth para um tablet. Ferramentas possibilitam o controle do jogo via voz.

O jogo foi desenvolvido como parte do projeto acrobatic@home, em colaboração com vítimas de talidomida e terapeutas. A ideia é incentivar os usuários a repetir inconscientemente exercícios recomendados, motivados pelo seu progresso no jogo.

Tudo o que sabemos sobre:
Gametalidomidaterapia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.