André Lessa/AE
André Lessa/AE

Isael Pinto, fundador dos sucos Camp, recomenda investir todas as suas economias na empresa"

Empreendedor, criador da General Brands, sempre esteve disposto a correr riscos para concretizar o sonho de ser empresário

Ligia Aguilhar, Estadão PME,

01 de junho de 2012 | 07h30

 O fundador da General Brands, Isael Pinto, sempre quis ser um cidadão do mundo. Por isso ele não hesitou quando, aos 16 anos, teve a chance de deixar Penápolis, no interior de São Paulo, para visitar a irmã que morava em Santos, no litoral do Estado. Ao desembarcar na cidade, decidiu que não voltaria mais para casa.

Durante um ano e meio, Isael trabalhou como lavador de iates em um clube da cidade até ser convocado para servir o exército. Quando voltou ao mercado de trabalho, candidatou-se a vaga de vendedor na fabricante de sucos em pó Q-Refres-Ko. “Me tornei um dos melhores”, garante.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Isael permaneceu na empresa por décadas e chegou ao cargo de diretor nacional de vendas. Quando a Q-Refres-Ko foi vendida, em 1994, ele decidiu que era hora de abrir o próprio negócio. Em 1997 fundou a General Brands, que nasceu como uma importadora de alimentos, mas tornou-se rapidamente fabricante do suco em pó Camp – o produto hoje figura entre os mais vendidos da categoria.

Recentemente, a General Brands entrou também no mercado de sucos prontos para beber e pretende, com a estratégia, integrar a lista dos cinco maiores fornecedores do produto em até três anos. No encontro promovido pelo Estadão PME, Isael disse que nunca deixou de acreditar em si mesmo e que apesar de sua longa experiência no mercado corporativo, ainda considera empreender um grande desafio. Confira os principais trechos:

Mão de obra

Qual o segredo de Isael para reter e motivar os 650 homens e mulheres que trabalham na General Brands? O empreendedor investe em benefícios atrelados a metas de produtividade. Um deles é a participação nos lucros e, por isso, Isael liberou o acesso aos indicadores da empresa a qualquer funcionário. As planilhas podem ser consultadas livremente e servem até de referência para aqueles que pretendem obter uma bonificação mais polpuda.

Geração Y

Além do desafio de atrair e reter mão de obra qualificada, empresas de todos os portes têm enfrentado outro dilema: o choque de gerações. De acordo com Isael, é papel do empreendedor educar e investir nos jovens profissionais da Geração Y. Mas ele reconhece que a tarefa não é nada fácil.

“Essa geração é preocupante, acha que tudo é fácil. Eu não tenho curso superior, não tive tempo de fazer faculdade, mas sei que meu filho também não teve a mesma chance que eu de ‘ralar’ para aprender. Então, temos que nos tornar um referencial para eles”, diz.

Custos

O problema é antigo. Para conquistar clientes importantes, invariavelmente, a pequena empresa enxuga ao máximo sua margem de lucro. Para amenizar a situação, Isael recomenda que o pequeno empreendedor faça uma ampla negociação com os fornecedores. “Ser empreendedor no Brasil é muito difícil. Eu sempre digo que quem empreende aqui, abre empresa em qualquer lugar do mundo.”

Finanças

Isael Pinto defende também a contratação de uma consultoria financeira. “Graças a ela realizei uma reengenharia tributaria que me fez economizar muito dinheiro”, conta. “O gestor sempre acha que está no caminho certo, mas depois de um tempo não tem inteligência para pensar sozinho em uma solução dessas”, recomenda.

O empresário conta ainda que sempre reinvestiu o lucro ou usou suas próprias economias no crescimento da General Brands – inclusive todo o dinheiro depositado em um plano de previdência privada.

Seu conselho é que a pequena empresa siga o mesmo caminho antes de recorrer às linhas tradicionais de crédito ou então ao apoio monetário de fundos de investimento.

“Tem que tomar cuidado com esses fundos porque o contrato pode te penalizar por qualquer coisa que aconteça no meio do caminho e até fazer com que você perca o negócio”, alerta o empresário.

Qualidade x preço

Preocupada com a concorrência chinesa, uma das participantes do encontro questionou Isael sobre qual das duas características é mais importante para uma empresa sobreviver. Sem titubear, Isael enfatiza que o empreendedor nunca deve abrir mão da qualidade. Ao contrário. Ele deve utilizar essa característica como diferencial.

Idealismo

De lavador de iates a empresário de sucesso. A trajetória de Isael o ensinou a confiar em si mesmo. “Em vários momentos pensei em desistir, mas a dificuldade sempre existe e você tem que enfrentá-la sem nunca deixar de acreditar em você”, afirma. “Se empreender é ser maluco, então, sim, sou maluco. E acho que o Brasil precisa de mais gente assim.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.