Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Inflação em 2011 tem influência de serviços e preços administrados

Alta acumulada do IPCA no ano, de 4,42%, tem perfil diferente do observado em 2010, quando os alimentos foram os vilões

Daniela Amorim, Agência Estado,

06 de setembro de 2011 | 11h29

O perfil da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011 está bem diferente do verificado em 2010, segundo avaliação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Enquanto no ano passado os alimentos foram os principais vilões, a alta de 4,42% verificada de janeiro a agosto deste ano tem contribuição significativa de aumentos no custo de serviços e nos preços de itens administrados.

"Outras questões também têm tido importância além dos alimentos, apesar de alimentos também estarem pressionando", afirmou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE. "No ano, não há muitos itens alimentícios entre os primeiros da lista que têm pressionando a taxa (do IPCA). Há mais itens administrados e monitorados, como ônibus urbano, remédios, taxa de água e esgoto, e empregados domésticos, por causa do salário mínimo".

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O grupo alimentação e bebidas acumula uma alta de 3,51% em 2011 até o mês passado, variação superior apenas a dos grupos artigos de residência (1,39%) e comunicação (0,96%). No mesmo período, a expansão foi maior nos grupos habitação (4,37%), vestuário (5,17%), transporte (4,71%), saúde e cuidados pessoais (4,59%), despesas pessoais (6,13%) e educação (7,76%).

"Os serviços também têm tido influência muito forte sobre os resultados no ano. Em agosto, eles continuaram pesando", ressaltou Eulina.

Na passagem de julho para agosto, ficaram mais caros os serviços de cabeleireiros (de -1,10 para +0,97%), bancários (de 0,03% para 0,17%) e cursos diversos (de 0,02% para 0,91%). Apesar de terem desacelerado, os serviços de empregados domésticos continuaram em alta (de 1,26% para 0,72%) na última leitura. "Os serviços aumentam em função da renda, que segue em alta", explicou a coordenadora do IBGE.

::: LEIA TAMBÉM :::

:: Inflação dos meios de transporte pressiona o pequeno empresário ::

:: Descubra se o preço cobrado por você está acima da média ::

:: Demanda das classes C e D faz preços de supérfluo subir ::

:: Para dono do Habib´s, ter só o preço baixo não é suficiente ::

:: Dá até para cobrar mais caro e não perder clientes ::

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoPreçosServiços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.