Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Inflação do aluguel dobra em setembro

IGP-M avançou 0,43% no período, segundo a primeira prévia divulgada pela FGV

Alessandra Saraiva, Agência Estado,

09 de setembro de 2011 | 11h36

A primeira prévia do IGP-M voltou a subir em setembro. O índice avançou 0,43%, quase o dobro da taxa apurada em igual prévia em agosto (0,22%), segundo informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções (entre 0,38% e 0,64%), e abaixo da mediana das expectativas (0,47%).

No caso dos três indicadores que compõem a primeira prévia do IGP-M de setembro, o IPA-M teve alta 0,49% na primeira prévia este mês, após subir 0,28% na primeira prévia de agosto. Por sua vez, o IPC-M apresentou taxa positiva de 0,42% na prévia anunciada hoje, após avançar 0,07% na primeira prévia do mês passado. Já o INCC avançou 0,10% na primeira prévia deste mês, após avançar 0,16% na primeira prévia de agosto.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O IGP-M é muito usado para reajuste no preço do aluguel. Até a primeira prévia de setembro, o índice acumula aumentos de 3,93% no ano, e de 7,23% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da primeira prévia do IGP-M de setembro foi do dia 21 a 31 de agosto.

A inflação agropecuária voltou a avançar no atacado. Os preços dos produtos agrícolas atacadistas subiram 0,86% na primeira prévia do IGP-M de setembro, após alta de 0,80% em igual prévia em agosto. No setor industrial, os preços também avançaram, com alta de 0,36% na prévia de setembro, após elevação de 0,10% na primeira prévia de agosto.

Atacado

A inflação atacadista medida pelo IPA-M acumula altas de 3,35% no ano e de 7,29% em 12 meses. Os preços dos produtos agropecuários no atacado acumulam alta de 2,61% no ano, e registram aumento de 14,56% em 12 meses. Já os preços dos produtos industriais no atacado mostraram altas de 3,61% no ano e de 4,92% em 12 meses.

Entre os produtos pesquisados no atacado, as altas de preço mais expressivas foram apuradas em soja em grão (4,09%); minério de ferro (2,97%); e café em grão (7,59%). Já as mais expressivas quedas de preço no atacado foram registradas em milho em grão (-2,07%); bovinos (-1,12%); e sucos concentrados de laranja (-11,11%).

Varejo

A inflação varejista medida pelo IPC-M acumula altas de 4,51% no ano e de 6,92% em 12 meses. A aceleração na taxa do IPC-M, da primeira prévia do IGP-M de agosto para igual prévia em setembro (de 0,07% para 0,42%) foi influenciada por aceleração de preços em cinco das sete classes de despesa usadas para cálculo do indicador varejista. Mais uma vez o destaque ficou com Alimentação, cuja variação de preços passou de -0,25% para 0,60% da primeira prévia de agosto para igual prévia em setembro. Nesta classe de despesa, houve acelerações de preços, deflação mais fraca ou até mesmo término de queda de preços em frutas (de 1,24% para 5,53%), hortaliças e legumes (de -4,54% para -2,84%) e carnes bovinas (de -0,12% para 1,36%) respectivamente.

Os outros grupos que mostraram acréscimos em sua taxa de variação de preços são Vestuário (de 0,25% para 1,92%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,39% para 0,54%), Educação, Leitura e Recreação (de -0,02% para 0,16%) e Transportes (de 0,12% para 0,20%).

Em contrapartida, houve desaceleração e queda de preços em Habitação (de 0,25% para 0,21%) e em Despesas Diversas (de 0,08% para -0,01%), no período.

Construção

A inflação na construção civil apurada pelo INCC-M acumula elevações de 6,41% no ano e de 7,60% em 12 meses até primeira prévia do IGP-M de setembro. A desaceleração na taxa do INCC-M, da primeira prévia de agosto para igual prévia em setembro (de 0,16% para 0,10%) foi influenciada por taxas de inflação mais fracas nos preços de mão de obra (de 0,06% para 0,01%) e de materiais, equipamentos e serviços (de 0,26% para 0,18%), no período.

Entre os produtos pesquisados, as altas de preço mais expressivas na construção foram registradas em cimento portland comum (0,78%); projetos (0,50%); e tinta a base de PVA (2,05%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em vergalhões e arames de aço ao carbono (-0,81%); condutores elétricos (-0,73%); e massa de concreto (-0,17%). 

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoImóveisEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.