André Conti/AE
André Conti/AE

Inadimplência dos consumidores cai pela primeira vez em seis meses

O dado de setembro é positivo, mas no acumulado do ano o calote ainda está em alta

agência estado,

14 de outubro de 2011 | 12h05

Após seis meses consecutivos de alta, a inadimplência no País caiu 3% em setembro em relação a agosto, informou hoje (14) a Serasa Experian. Na comparação com setembro do ano passado, porém, a incapacidade de o consumidor honrar dívidas desacelerou, mas ainda assim registrou alta de 23,3%.

No acumulado dos nove primeiros meses deste ano, a elevação é de 23,4% ante o mesmo período de 2010. Para a entidade, contribuíram para a queda em setembro a antecipação do 13.º salário aos aposentados, a redução dos juros e a menor quantidade de dias úteis em relação a agosto, além de facilidades oferecidas pelos credores ao consumidor para renegociar dívidas.

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor mostra que a queda foi generalizada. Dívidas com cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços recuaram 3,3% em setembro ante agosto. Já os números de cheques sem fundo e os títulos protestados apresentaram queda mais expressiva, de 10,3% e 13,9%, respectivamente, e as dívidas com bancos diminuíram 0,9%.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O valor médio das dívidas não bancárias - que representam 40,3% da composição do indicador - recuou 14,8% de janeiro a setembro deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, de R$ 384,29 para R$ 327,59.

Por outro lado, o valor médio das dívidas não honradas com bancos - equivalente a 47,8% do indicador - apresentou elevação de 0,6% (para R$ 1.323,54), enquanto o valor médio dos títulos protestados teve alta de 14,9% (para R$ 1.358,22) e dos cheques sem fundo registrou aumento de 7,9% (para R$ 1.342,78).

::: LEIA TAMBÉM :::

:: O Sobe e Desce da inadimplência no País ::

Tudo o que sabemos sobre:
Serasainadimplênciaconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.