Home office garante eficiência e inovação às empresas que atuam em serviços

Home office garante eficiência e inovação às empresas que atuam em serviços

Modalidade de atuação proporciona corte de custos e foco na oferta ao cliente

Bruno de Oliveira, especial para O Estado,

03 de julho de 2015 | 07h08

Criatividade para cortar custos e agilizar processos é o termo mais utilizado quando se fala em inovação dentro do setor de serviços. Ser um segmento composto por negócios cujas particularidades de ofertas e modelos de gestão os diferem - e muito - entre si, o torna uma área fértil para implantação ideias novas e criativas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

::Twiter::

::Facebook::

::Google::

Atualmente, inovação neste setor têm se materializado em práticas já conhecidas de redução de custo e aumento de produtividade, como é o caso do trabalho home office. O conceito está longe de ser uma novidade entre as empresas brasileiras, mas novas abordagens e propostas de valor têm transformado os resultados daquelas que optaram por este tipo de estrutura de trabalho.

"Em serviços, não há tanto espaço para crescer quando se opta por estratégias conservadoras de gestão do negócio. É um campo ávido por novidades que envolvam planos de negócios mais enxutos, novas maneiras de criar valor para o cliente. Ainda se explorou muito pouco neste sentido", conta Batista Salgado Gigliotti, professor da Business School de São Paulo.

Veja também

:: Fla-Flu, Corinthians e Palmeiras: como os clássicos ajudam as empresas de serviços ::

O especialista considera que as empresas inovadoras na área são aquelas que conseguem ser eficientes na entrega sem contar com orçamentos gigantescos para isso. Dessa forma, trabalhar em casa ou proporcionar esta opção aos colaboradores têm ajudado empresas a inovar em seus ramos de atuação.

"Partindo do princípio que você não precisa se preocupar em manter uma estrutura de trabalho grande e cara, o empreendedor consegue focar seus esforços nos pontos mais importantes do negócio e consegue também gerar caixa para investir na empresa, melhorando seus níveis de inovação", completa Gigliotti. "Uma empresa de contabilidade, do segmento financeiro, de limpeza, por exemplo, precisa focar naquilo que oferece e não gastar tempo arrumando a casa", completou.

Conseguir dinheiro e investir na empresa, segundo o professor, significa não apenas manter o negócio funcionando sob uma estrutura compacta e eficiente, mas utilizar ferramentas que auxiliam na gestão da companhia, da produção, entrega, até o comprometimento dos colaboradores.

"Conduzir uma empresa com este nível de inovação praticado atualmente pelo mercado só é possível se existir uma mentalidade de que o que é inovador hoje pode se tornar obsoleto mais adiante. Assim, é importante investir em ferramentas de comunicação, de armazenamento de dados, que vão dar suporte a toda operação", explica.

Criada uma estrutura eficiente, o caminho a ser trilhado pela empresa a um futuro inovador passa por uma sequência de processos cujo objetivo é manter o serviço focado no cliente e criar barreiras competitivas que evitem sua evasão para a concorrência.

Uma dessas barreiras é inovar na maneira utilizada pela empresa para atender seus consumidores. Segundo Cynthia Serva, coordenadora do Centro de Empreendedorismo do Insper, a inovação hoje em serviços também aparece quando a empresa consegue traduzir em números a eficiência do seu serviço.

"Se destaca no mercado quem consegue facilitar a vida do cliente. O empreendedor precisa perceber como ele tem que vencer a concorrência e ofertar um produto que lhe garanta eficiência financeira mais rápida", diz a especialista do Insper. 

"Em serviços, o empreendedor pode pensar sob a seguinte ótica: produto, processo que entregue resultado mais eficiente e que se traduz em melhor qualidade ou percepção do cliente em relação ao negócio, modelo de negócio diferente, ou posicionamento do produto dele frete a concorrência. Este é o caminho para que a empresa siga inovando no mercado", finaliza.

Tudo o que sabemos sobre:
inovacaoinoveparaempreender

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.