Divulgação
Divulgação

Holandeses criam hambúrguer feito de alga marinha e querem promover agricultura sustentável

Meta do Weed Burguer é pular de 70 para 700 restaurantes no curto prazo

Estadão PME,

19 de dezembro de 2014 | 10h00

 Empreendedores da The Dutch Weed Burguer criaram um hambúrguer feito a base de erva marinha, também conhecidas no mundo todo como algas marinhas. Mais do que uma receita rica em nutrientes, o desenvolvimento do prato pretende reforçar o conceito de que o consumo de proteína de origem não-animal é menos danoso ao corpo e ao meio ambiente.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

   

As algas são planatadas em fazendas marinhas, ou seja, em linhas submersas no mar da Holanda onde ela crescem e podem ser colhidas. A partir daí, o restaurante faz uma mistura das algas com soja torrada para ficar com uma textura parecida com a de um hambúrguer feito de carne bovina, por exemplo.

"Tem gosto de frango", diz Mark Kulsdom, fundador da Weed Burguer. "O hambúrguer traz um leve gosto do oceano e estamos trabalhando para neutralizar este sabor, de forma que pessoas que não estão familiarizadas com alimentos marinhos possam comê-los sem problemas", completa.

Alguns pesquisadores da Holanda estão olhando oportunidades para fazendas de algas em grande escala em alto mar. Em um estudo de 2010, pesquisadores da Universidade de Wageningen estimaram que uma fazenda de algas gigantes de 180 mil metros quadrados poderia fornecer proteína suficiente para toda a população global.

A Weed Burguer não é a única fabricante a experimentar algas marinhas como ingrediente na gastronomia. Nos EUA, a Marshall Wharf Brewing está usando algas para fazer cerveja e a Ocean's Halo fabrica tortilhas feitas de algas.

"Nós estamos em 70 restaurantes agora, mas nossa meta é chegar a 700 em breve", diz Kulsdom. "Nós realmente queremos propagar um estilo de vida à base de plantas", finaliza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.