Divulgação
Divulgação

História de sucesso: empresário conta como faturar R$ 10 milhões com milk shake

Para Clederson Cabral, proprietário da Mr. Mix, não basta paixão para montar uma empresa de sucesso

CRIS OLIVETTE, OPORTUNIDADES,

26 de março de 2012 | 07h00

 Na opinião do empresário Clederson Cabral, proprietário da franqueadora Mr. Mix, especializada em milk shake, para montar um negócio de sucesso não basta ter paixão. “Uma empresa é feita de processos e deve estar ancorada em números, não adianta ter paixão, se os números não confirmarem que o negócio vai valer à pena”, ensina.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Sua formação em administração de empresas e os dois MBAs que fez em projetos e franquias, embasaram as pesquisas que realizou antes de escolher um ramo de atividade para empreender.

“A oportunidade surgiu numa lojinha de milk shake e eu achei que essa seria uma maneira prática de oferecer um alimento nutritivo”, comenta.

Fundada em 2006, a Mr. Mix virou franquia no ano seguinte. Hoje, a marca está presente em 12 Estados e conta com 94 lojas, sendo que 41 estão em processo de implantação. Aos 36 anos, Cabral comemora o faturamento superior a R$ 10 milhões obtido em 2011 e afirma que sua meta é fechar 2012 com 100 lojas faturando e mais 60 em processo de implantação. “Quero fechar 2013 com 160 lojas abertas.”

Cabral explica que o sorvete é produzido pela fábrica da própria empresa, instalada em Sumaré, no interior paulista. “Neste ano ampliamos as instalações da fábrica, agora ela tem capacidade de produzir 400 toneladas por mês, suficiente para abastecer 200 lojas.”

A empresa também possui estrutura logística para abastecer semanalmente todas as lojas da rede.

Segundo o empresário, os futuros empreendedores devem elencar o maior números de perguntas, tentar pensar em tudo, e avaliar o maior número de situações possíveis no momento de construir o plano de negócio. “Depois disso é colocar em prática e fazer acontecer, porque a partir daí não tem mais volta.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.